fbpx
Mix

Alergia em gatos, um diagnóstico difícil e necessário

Alimentos, perfumes e produtos de limpeza são algumas das coisas que podem afetar os bichanos
Alergia em gatos, um diagnóstico difícil
Coceiras podem indicar quadros alérgicos. Como não existe exames para detectar as alergias, os tutores devem ficar atentos aos sintomas. Crédito da foto: pixabay.com

Todo mundo já ouviu falar de pessoas com alergia a gatos. Mas pouca gente pensa sobre as alergias dos gatos. Eles não são alérgicos a humanos — ainda bem! — mas a diversas outras coisas. As mais habituais, conforme destaca médica-veterinária especializada em gatos Vanessa Zimbres, são alergias a alimentos, perfumes e produtos limpeza.

“Gatos são muito sensíveis a cheiros fortes e, por isso, é bem comum desenvolverem quadros de asma/bronquite”, afirma Vanessa. “Alguns gatinhos também podem desenvolver intolerância a certo ingrediente das rações e quadros de dermatite alérgica”. Há ainda alergias a árvores e pólen de flores, fumo de cigarro, tecidos e materiais de plástico, medicamentos e até pulgas, além dos produtos utilizados para eliminá-las.

Alergias estão relacionadas a uma hipersensibilidade e esta é uma característica individual de cada animal. Não há um exame para detectá-las – sem contar que o pet pode ser alérgico a mais de um componente.

Leia mais  Causas da epilepsia canina precisam ser investigadas

Sintomas

Por não haver um exame possível de detectar as alergias dos gatos, Vanessa cita quais são os sintomas normalmente vistos: coceira, diarreia, edemas (inchaços), feridas, problemas de pele, prurido e feridas na região da cabeça e pescoço. A veterinária cita ainda tosse e vômito.

“No caso da bronquite, o gato apresenta tosses frequentes parecem engasgos com bolas de pelos e que podem confundir o tutor”, alerta Vanessa. “Em quadros mais graves, quando há muita dificuldade para respirar, isso se torna uma urgência”.

Como tratar

Antes de mais nada, é importante ressaltar que não há cura para alergias. O objetivo do tratamento é somente o controle dos sintomas. Como muitas vezes não é possível identificar qual é exatamente o alergeno que provoca tal reação, é muito importante evitar a exposição ao que, em tese, pode estar causando o quadro alérgico.

Leia mais  Sana, uma rinoceronte, morre aos 55 anos, na França

“Sendo a bronquite a reação mais comum nos gatos, evite qualquer cheiro forte, o que inclui as areias sanitárias perfumadas. O uso profilático de antipulgas também é essencial”, diz Vanessa. “Não é recomendado também variar a ração seca, pois o gato pode desenvolver um quadro de intolerância alimentar a determinado componente. E essa condição pode evoluir para uma doença intestinal inflamatória que, se não tratada, pode até mesmo formar um linfoma alimentar”, afirma Vanessa.

Casos de urgência

Se o tutor sabe que seu pet é alérgico, ele deve ter sempre em casa medicações devidamente prescritas pelo médico-veterinário que ajudam a controlar as crises. “A depender do tipo da alergia e da gravidade dos sintomas, o animal deve ser levado o imediatamente a um pronto atendimento”, alerta Vanessa. (Portal Melhores Amigos)

Comentários