Buscar no Cruzeiro

Buscar

Isolamento social pode afetar o comportamento dos pets

Mudança na rotina das famílias e falta de atividades provocam as alterações

24 de Abril de 2021 às 00:01
Da Redação [email protected]
Por outro lado, estar mais tempo em casa pode aproximar pets e tutores.
Por outro lado, estar mais tempo em casa pode aproximar pets e tutores. (Crédito: DIVULGAÇÃO)

O isolamento social imposto pela pandemia pode trazer consequências também para os animais de companhia e mexer com seu comportamento. A mudança na rotina das famílias, que agora ficam mais tempo em casa e convivem intensamente com os pets, muitas vezes deixa os animais mais estressados, principalmente aqueles que passam mais tempo dentro de casa, com pouca ou nenhuma atividade e sem oportunidade de interagir com outros animais. O reflexo desse estresse pode aparecer na forma de carência excessiva, objetos danificados, xixi no lugar errado, desânimo, falta ou excesso de apetite, entre outros.

De acordo com as recomendações de médicos-veterinários e adestradores, uma maneira simples de fazer com que o bom comportamento dos pets se torne hábito é oferecendo-lhes uma recompensa após atenderem a um comando. É o que chamam de reforço positivo.

A médica-veterinária, Lara Volpe, explica: “Quando oferecemos uma recompensa ao pet, estamos mostrando que é este o comportamento que gostaríamos que ele tivesse, aumentando as chances dele repetir o ato. Quando urinar no lugar certo, quando ficar calmo após um episódio de euforia, quando sentar ou obedecer a algum comando, são alguns momentos que merecem o reforço positivo. Ao fazermos isso repetidamente, o animal aprende como deve se comportar”. A mesma técnica é adotada por muitos adestradores, que ensinam comandos básicos aos animais utilizando os petiscos como recompensa.

A convivência intensa entre tutores e pets pode ser também uma excelente oportunidade para estreitar os laços, estimular que o animal desenvolva novas habilidades e incentivar brincadeiras. Outro momento ideal para oferecer petiscos aos pets.

E como a conquista do petisco deve ser associada pelo animal a uma atitude que acabou de ter, a veterinária aponta um equívoco muito comum: “Alguns tutores acabam oferecendo petiscos em momentos de comportamento indesejado do animal: para fazer o cão parar de latir, de pedir a comida do dono, ou o gato parar de miar, por exemplo. Nestes casos, os animais estão recebendo a recompensa pelo comportamento inadequado, por isso deverão repeti-los”.

O uso de petiscos é uma maneira muito agradável para o pet de reforçar bons comportamentos. Mas atenção! É importante ficar atento e conferir na embalagem do produto a quantidade recomendada por dia, para evitar fornecer um excesso de calorias, o que poderia levar ao desenvolvimento de sobrepeso e obesidade.

Bom comportamento

Para incentivar que os proprietários estimulem seus pets a terem atitudes positivas, a Fórmula Natural, linha de alimentos para cães e gatos da Adimax, realiza a ação “Petisco Recompensa”. Até 30 de abril, a marca está selecionando nas redes sociais posts de tutores que relatam atitudes positivas de seus cães e enviará petiscos de presente. Para facilitar que seus pets sejam notados pela marca, o tutor pode marcar @fnaturaloficial no post no Twitter. (Da Redação)