Cruzeirinho

Rua é sim lugar de diversão

No bairro Júlio de Mesquita dois vizinhos se uniram para colocar a criançada para brincar fora de casa. O resultado foi um dia inesquecível

 

Guerrinha de bexigas no Júlio de Mesquita. Crédito da foto: Emídio Marques

Vocês crianças já brincaram na rua? E vocês sabiam que dessa forma é muito mais gostoso e divertido? Pois é, foi pensando em provar que há muitas outras alternativas de brincadeiras que vão além do computador e do celular que a DJ de karaoquê Áurea Cristina Barbosa Lima, 53 anos, e seu vizinho, o fotógrafo Vinícius Henry, 23 anos, decidiram resgatar seus tempos de infância e trazê-los para os dias atuais. Para isso, eles promoveram diversas atividades ao ar livre no bairro Júlio de Mesquita, onde moram, para provar que utilizando da imaginação, com baixo custo e sem a necessidade de brinquedos caros dá para se divertir pra valer. E as crianças que vivem por lá brincaram de um jeito que nunca antes tinham experimentado.

As brincadeiras com água são as preferidas, principalmente por causa do calorão. Crédito da foto: Emídio Marques

A brincadeira à moda antiga aconteceu na rua Alberto Rodrigues Geraldi, antiga rua 20, e contou com bexiga de água, lona molhada para as crianças escorregarem e jogo de queimada, além de outras atividades para agradar os menores, como massas de modelar e giz de cera para fazer desenhos.

Leia mais  Vai um sorvetinho aí?
As brincadeiras com bolas fazem muito sucesso pelas ruas

O estudante Alyson Miguel Saragossa Martins, de 9 anos de idade, estava entre as crianças que nunca haviam brincado na rua e admitiu que, se estivesse dentro da casa, certamente estaria conectado ao celular. Para ele, o mais legal foi a brincadeira de estourar a bexiga com água, o que dificilmente também faria dentro da residência. Apesar da pouca idade, sua irmã Victória Karoline também tem celular e costuma passar o tempo se distraindo com o aparelho. Ela também gostou muito da sensação de liberdade de brincar na rua.

A mãe de Alyson e Victória, Deyse Mariane Saragossa Martins, 29, conta que passou a infância brincando na rua, lá no Jardim Brasilândia. Ela se recorda que morava numa rua de terra e que quando chovia o barro parecia até chocolate: “vejo que falta esse tipo de imaginação nas crianças de hoje”. Deyse se sente triste com a falta de segurança de hoje em dia, o que impede que seus filhos tenham esses momentos de lazer.

Leia mais  Lobo, o ancestral dos cachorros

Kaíque Athanázio da Cruz, também de 9 anos, que entre outras coisas cantou no karaoquê e dançou, também disse ter gostado da bexiga com água e, claro, da mangueirada para poder se refrescar do calor. Residente na Vila Hortência, o menino disse não ter muitos amigos em seu bairro e que a brincadeira na rua ajuda muito a fazer novos amigos.

Igualmente acostumada a brincar com suas bonecas dentro de casa, Ana Júlia Silva Pupo, de 10 anos, gostou mesmo foi de escorregar na lona molhada — e disse que gostaria de repetir a experiência.

Como brincar de verdade gasta energia — e saco vazio não para em pé, como já diziam os mais antigos — Áurea também presenteou a criançada com doces e pipoca, que conseguiu por meio de doação, e até ofereceu um churrasco na porta de sua casa.

Bons tempos

Embora 30 anos mais novo que a vizinha Áurea, Vinícius Henry se orgulha de ter brincado muito na rua, com maior liberdade. Eles gostaram tanto da experiência que pretendem promover dias de brincadeira na rua onde moram a cada 15 dias. Com esses momentos, eles acreditam que vão ajudar os pequenos a usar cada vez mais a própria imaginação para se divertir, independente de ter ou não brinquedos.

Leia mais  De que cor você está hoje?

Com certeza, um dos fatores que mais dificulta que esse tipo de brincadeira continue a acontecer nas ruas da cidade é a falta de segurança — afinal, os pais ficam preocupados de deixar seus filhos fora de casa sozinhos. Afinal, hoje existem mais carros nas ruas e, infelizmente, mais casos de violência. Porém, nada impede que os vizinhos se organizem para ficar todos juntos na rua, olhando os pequenos se divertirem. Que tal aproveitar o exemplo da Áurea e do Vinícius e propor essa experiência aí na sua rua? Com certeza será muito divertido!

Comentários