Cruzeirinho

Eleição também é coisa para crianças

Eleição também é coisa para crianças
As crianças têm consciência de que as escolhas para o Paço e o Legislativo vão interferir nas suas vidas. Crédito da foto: Erick Pinheiro / Arquivo JCS (19/3/2019)

Você sabe como funcionam as eleições? Apesar de muitas vezes ser considerado um assunto um pouco chato, as eleições influenciam diretamente na vida de todos os cidadãos, inclusive das crianças. Hoje (15), centenas de eleitores devem comparecer às urnas para escolher o prefeito, o vice-prefeito e os vereadores que representarão Sorocaba no próximo ano. As crianças não votam, mas podem e devem debater sobre o tema. Até porque elas serão os eleitores do futuro.

Mesmo com pouca idade, os pequenos já reconhecem a importância e o impacto das eleições. A Maria Flor Jorge Lorentz, de 11 anos, destaca que as ações do prefeito e dos vereadores terão resultados na rotina das crianças. “Por exemplo, um prefeito pode construir escolas e parques que as crianças passarão a frequentar”, explica. Por isso, Maria Flor diz ser muito importante participar da votação. “Cada pessoa pode ajudar a escolher um governo para melhorar a cidade”.

Eleição também é coisa para crianças
Maria Flor Jorge Lorentz sabe como funciona o processo eleitoral. Crédito da foto: Acervo Pessoal

Maria Flor, que gosta de acompanhar a mãe durante a votação, conta como funciona o processo. “Primeiro, precisa ter um título de eleitor, que hoje em dia também está no celular. Depois, você precisa ir em um local determinado com o seu candidato já em mente. Então, é só esperar a sua vez, apresentar o título de eleitor, ir até a urna eletrônica e digitar o número da pessoa em que vai votar”.

Todas as crianças deveriam saber e entender esse processo desde pequenas, acredita Maria Flor. “O mundo pode melhorar se nós, desde cedo, falarmos desse assunto com as crianças, educando elas sobre. Assim, na hora que elas forem votar, elas terão mais consciência sobre o tema. Se isso não acontece, quando ela tiver 16 anos, que é a idade opcional para votar, ela vai ficar muito perdida, e não saberá em quem votar e como avaliar as propostas dos candidatos”, frisa.

Para Maria Flor, um bom candidato a prefeito de Sorocaba deve saber quais são os problemas da cidade e como resolver esses problemas. “A gente poderia melhorar a questão dos cachorros abandonados nas ruas, algo que, ao meu ver, é preocupante. Deveriam acabar com isso. Além de melhorar a questão dos moradores de rua, entre muitas outras coisas”. E para saber mais sobre as eleições, a pequena acompanha as notícias pelos telejornais. “Eu pesquisei também as eleições dos Estados Unidos. Fiquei curiosa para saber quem iria ganhar”.

Leia mais  A gatinha Pepê

Apesar de muitas pessoas considerarem o tema um pouco chato, o Ramon Biazoto Pompeu, de 11 anos, reforça que a política e as eleições são muito importantes. E para que as pessoas se interessem mais pelo assunto, o menino diz ser preciso entender como tudo funciona. “Quando as pessoas entendem, elas conversam e se interessam mais. Eu tenho um amigo que nem dá bola. Eu falo para ele que quando você entende, você começa a pegar gosto pela política”, conta ao dizer que gosta de conversar sobre o tema.

Eleição também é coisa para crianças
Ramon Biazoto Pompeu diz que já tem vontade de votar. Crédito da foto: Acervo Pessoal

Isso porque, acrescenta Ramon, entender o processo eleitoral desde pequeno é uma forma de preparar as crianças para a votação no futuro. “Isso é exercer a cidadania. Eu tenho vontade de votar. É importante para as crianças também, para elas entenderem o que está acontecendo no bairro, na cidade e em outros lugares”. E na hora de escolher os candidatos, o pequeno diz ser importante fugir dos políticos com um histórico ruim. “O rumo da cidade dependo do voto de cada um. As pessoas devem votar em quem quer o bem para a cidade”.

Leia mais  Esporte leva crianças a conhecer e superar seus próprios limites

E para melhorar Sorocaba, Ramon diz ser preciso investir os recursos financeiros no lugar certo para atender o que a cidade está precisando. Segundo ele, isso deve ser feito nas áreas da educação, saúde, infraestrutura e assistência social. Dessa forma, o pequeno destaca que o papel do prefeito é colocar em prática tudo que foi prometido nas eleições. “Um prefeito tem que fazer mais coisas boas, além do esperado, que é investir na educação, na saúde e na segurança”.

Interessada pelo processo eleitoral, Rafaela Ayumi Jordão Nakahara, de 10 anos, costuma acompanhar os pais durante a votação. “Eu acho legal. O sistema eleitoral do Brasil é um dos melhores. Na urna eletrônica é bem mais fácil, é um processo muito melhor que o dos Estados Unidos, que é por papel”, avalia. Ela gosta de pesquisar sobre o tema no Google para saber tudo que está acontecendo em Sorocaba e no Brasil. “No jornal também vejo bastante coisa. Eu gosto de ler o Cruzeiro do Sul”, conta.

Leia mais  São penas ou orelhas?
Eleição também é coisa para crianças
Rafaela Nakahara espera que o futuro prefeito (a) pense no cidadão. Crédito da foto: Acervo pessoal

Para Rafaela, as eleições são muito importantes, inclusive para as crianças. “A gente precisa saber quem vai cuidar da nossa cidade”. Isso porque, segundo Rafaela, as eleições também interferem na vida das crianças. “O prefeito pode fazer projetos para melhorar a educação ou a saúde”, completa. Por isso, ela diz ser preciso ficar atento as intenções do prefeito. “Se as crianças entendem isso desde pequenas, no futuro será mais fácil para elas votarem”, explica ao destacar que é preciso pesquisar bem antes de escolher um candidato.

Para a menina, o futuro prefeito de Sorocaba deve pensar primeiro no cidadão, para depois tomar as decisões. “As pessoas precisam vir em primeiro lugar”, enfatiza. Rafaela também aponta que a cidade precisa de melhorias em saúde, educação, infraestrutura, meio ambiente e assistência social. “Sorocaba deveria arrumar as ruas e calçadas, melhorar a educação e a saúde, cuidar da natureza, plantar mais árvores e criar mais campanhas para ajudar as pessoas que precisam de ajuda financeira e alimentos”, aponta. (Jéssica Nascimento)

Comentários