Educare

Grêmios trazem melhorias para as escolas

Orçamento Participativo, do governo estadual, ajuda alunos da escola Arquimínio Marques a efetivar projeto
Melhorias na escola chegam com os grêmios
União e organização dos estudantes contribuirão para que eles consigam melhorar o espaço das mesas de xadrez. Crédito da foto: Fábio Rogério

“A gente quer deixar um legado, marcar a nossa passagem pela escola. Queremos que os próximos alunos vejam o que deixamos para eles”, disseram, orgulhosos, os membros do grêmio estudantil da Escola Estadual Arquimínio Marques da Silva, de Sorocaba, sobre um projeto que realizarão graças ao Orçamento Participativo Jovem. O programa, da Secretaria Estadual de Educação, está contemplando os grêmios estudantis com verba de R$ 5 mil para realizarem ações nas unidades de ensino. E no Arquimínio, um antigo sonho dos estudantes será viabilizado agora: a revitalização do espaço onde ficam as mesinhas de xadrez. O local, que não é usado pelos alunos porque não tem cobertura e está sempre com muito sol ou chuva, servirá finalmente para leitura e integração, inclusive para os horários do recreio. “Estamos idealizando há muito tempo. Foi um presente do céu. É isso”, resume Michelle Eduarda Rodrigues da Silva, 14 anos, aluna do 9º ano. Michelle e mais quatro participantes do grêmio estão se formando este ano e por isso a ansiedade para que as obras comecem logo.

Michelle, que foi eleita pelos outros membros do grêmio para falar com a reportagem e contar sobre as atividades do grupo, lembra que esse é um desejo alimentado há pelo menos três anos por todos os alunos da escola. “E finalmente será realizado até dezembro”, comemora ela, junto dos amigos. A estudante conta que o local ganhará manutenção do piso, as mesas e paredes receberão pintura e, para completar, haverá um pergolado com trepadeira, para fazer sombra. “A gente queria alcançar isso há muito tempo e agora estamos fazendo o que muitos grêmios não conseguiram”, completa Michelle.

Para esses alunos, os grêmios avançaram ao terem verba. “O que ganhamos nos anos anteriores foi experiência em como trabalhar no grêmio, então este ano já tínhamos noção do que fazer.” Entre as diversas ações que realizam todos os anos, os gremistas fazem arrecadação de alimentos para entidades, entre elas o Gpaci, também doam roupas, promovem eventos na escola e chegaram a criar um modelo mais moderno de moletom para ser usado como uniforme. “Antes era uma jaqueta e os alunos não gostavam muito do estilo. Agora dá para o pessoal usar fora da escola também.”

Sem dúvida, a maior ação de todas será agora. E foi algo decidido por toda a escola e não apenas pelos gremistas. Lívia Bueno Menegolo, 15 anos, também aluna do 9º ano, lembra que participou do grêmio de 2015 e naquela ocasião foi criada uma caixa de sugestões no Arquimínio. “Foi assim que ficamos sabendo que os alunos queriam a revitalização desse espaço. Mas não tinha verba suficiente. A caixinha da Associação de Pais e Mestres (APM) não arrecadava muito. Já neste ano, quando soubemos da verba, fizemos reunião com representantes de classe e a decisão pela melhoria desse espaço foi unânime.”

Programa pretende que estudantes decidam e implantem mudanças

Melhorias na escola chegam com os grêmios
Estudantes e direção da escola receberam uma representante da secretaria para conhecer o projeto. Crédito da foto: Fábio Rogério

O Programa Participativo Jovem (OP) faz parte das novas iniciativas implantadas na rede estadual no segundo semestre, com foco na gestão democrática. O objetivo é que, assim como professores e diretores, os estudantes possam assumir responsabilidades dentro do ambiente escolar e beneficiar a própria comunidade. É a primeira vez que os grêmios recebem verba. Ao todo 4.963 unidades de ensino foram contempladas com o investimento.

Sonia Maria Brancaglion, assessora de gabinete da Secretaria Estadual de Educação visitou a escola Arquimínio para conversar com os estudantes e saber mais sobre o projeto que pretendem implantar. De acordo com a assessora, o OP nasceu em atendimento à solicitação dos estudantes da rede, que queriam fazer algo pelas escolas, mas não tinham verba para isso. “Com esse projeto também conseguimos mostrar para eles a importância do dinheiro público, eles aprendem que a escola recebe verba e o dinheiro é sempre pouco para nossos desejos, então é preciso eleger prioridades”, disse. Nesse sentido, quem deve escolher é o estudante, complementou. “É o aluno que deve dizer o que quer, para que possa ter um espaço que o agrade, que se sinta bem ali. Se o Estado escolher igual para todas as escolas, estará errando.” Sonia afirma que 96% da rede estadual tem grêmio implementado e que desse total, 90% pediu mudanças nos banheiros. Mas teve lugar que pediu artigos esportivos ou ações culturais, por exemplo.

Melhorias na escola chegam com os grêmios
Magali e Zélia ressaltam que a ação proporciona novas experiências aos alunos. Crédito da foto: Fábio Rogério

Magali Maria de Souza, diretora da escola, e Zélia Helena dos Santos, a vice, ressaltaram que o projeto é importante acima de tudo bom para o desenvolvimento pessoal de cada um. “Eles vivenciaram situações que nunca tinham experimentado antes, por ser ‘coisa que os adultos faziam’. É um exercício de cidadania.” Para Marco Aurélio Bugni, dirigente regional da Diretoria de Ensino de Sorocaba, o orçamento participativo ajuda financeiramente os grêmios e, consequentemente, dá poder a eles. “Sempre me incomodei com a questão dos alunos pouco participarem das decisões da escola, tanto é que minha tese de mestrado em Educação foi sobre esse tema, a participação dos alunos nos Conselhos de escola.”

A inauguração do espaço na escola Arquimínio está prevista para o dia 8 de dezembro. Essa escola foi escolhida aleatoriamente para o encontro com os dirigentes. Também participaram do encontro Amanda Cristina Pagan Barone, assistente de gabinete da Secretaria Estadual da Educação; Rosângela Quequetto de Andrade, supervisora de ensino responsável pelos grêmios; Eric Klinke Alves Coelho, supervisor de ensino da escola; Francine Dell’Aringa da Silva Tomasi, professora coordenadora do Núcleo Pedagógico na Diretoria de Ensino; Adriana Tavares, coordenadora pedagógica, e os alunos Giulia Reis Zacarias, 15 anos; Gustavo Henrique Gonzaga Chagas, 14 anos; Danielle Portari Guimarães dos Santos, 11 anos; Beatriz Zecca Nazareth, 11 anos; e Bianca Oliveira Monteiro, 12 anos.

Comentários

Sobre o Autor

Daniela Jacinto