Casa e Acabamento

Muito mais que um porta-retrato

Painéis fotográficos da família voltam a ser tendência de decoração nos diversos ambientes da casa
Painéis de fotografias fazem parte da decoração. Crédito da foto: Fábio Rogério

Moda nos anos 60, os painéis fotográficos de familiares nos ambientes sociais da casa voltaram a ser tendência na decoração. Entretanto, a nova moda pode ser atribuída a outros motivos que não apenas estéticos, mas também sentimentais. “Por exemplo, o desejo de ter a família reunida, nem que seja por meio de fotografias”, explica a fotógrafa Cínthia Loureiro Pecoraro Gâmbaro, do You Photo Family, que se especializou nesse tipo de trabalho. De acordo com ela, “a tendência agora é personalizar, e não há nada mais personalizado do que foto da família”.

Há quase cinco anos Cínthia Gâmbaro deixou uma carreira de duas décadas como veterinária para se dedicar integralmente à fotografia. Segundo ela, o retorno das fotos da família às paredes, onde todos podem ver, não ocorre por acaso, mas sim como uma forma de eternizar os bons momentos da vida. Isso porque, afirma, “as pessoas estão percebendo que o tempo passa rápido demais e querem registrar as passagens felizes.” Outra percepção da fotógrafa é que, atualmente, todo mundo corre muito, sobrando pouco tempo em família. “Chegar na residência e se deparar com as fotos é como se estivesse junto de seus entes queridos”, reforça.

Leia mais  Vasos em alta: modelos para pôr a natureza dentro de casa

E, nesse sentido, valem vários tipos de fotos. Como as individuais, em que as pessoas se deixam fotografar no próprio ambiente da casa ou mesmo diante de pontos turísticos. “Depois, tudo isso se transforma em painéis ou quadros menores, expostos em locais de grande visibilidade, como nas salas e nas paredes das escadas. Não são mais apenas porta-retratos.” Embora em seu estúdio hajam locações que propiciam um efeito especial às fotos, há também as fotos estilo documental, do dia-a-dia, e não exatamente posadas.

Independente dos clientes optarem por painéis ou mesmo “fotos-livro”, normalmente deixados sobre as mesas, a grande procura por fotos personalizadas se dá por pais que querem registrar o crescimento dos filhos, registra Cínthia. Ela conta, inclusive, que acompanhou mensalmente uma criança até completar um ano de idade. Casais à espera do nascimento do filho também buscam eternizar tal fase da vida com ensaios regulares — normalmente da gestante. No período do pré-casamento, noivos também costumam contratar o serviço. A fotógrafa explica que eternizar os animais de estimação em forma de fotos também já se tornou comum, uma vez que atualmente os bichos já fazem parte das famílias.

A odontopediatra Carolina Gutierres Toledo, há nove anos — desde o nascimento do filho José Paulo — decora toda a casa com fotos da criança. “Olhar a foto no papel traz outra sensação”, diz. Por isso, ela prefere as fotos reveladas às digitalizadas. Carolina também entende que tais fotos “têm o dom de aproximar as pessoas, como se toda família estivesse reunida”.

Leia mais  Na cozinha planejada: fogão ou cooktop?

Projeto Son Shine

Mãe de Júlia, de 19 anos, que é especial, Cínthia Gâmbaro iniciou há um ano o projeto Son Shine. “O objetivo é mostrar que nós, mães especiais, também somos felizes”. E, nesse trabalho, o conceito das fotos personalizadas também é mantido, pois garante imagens carregadas não apenas de estética e técnica, como também de emoção, principalmente pela espontaneidade.

Após um ano do surgimento do projeto e 300 crianças especiais fotografadas, Cínthia vai levar seu trabalho para Curitiba, onde no ano passado fez uma exposição numa concessionária de veículos pela passagem do Dia Internacional do Portador de Deficiência, celebrado em 3 de dezembro. Cínthia é também mãe de Clara, de 12 anos, que já expressa interesse pela arte de fotografar.

Comentários

CLASSICRUZEIRO