Sorocaba e Região

Vereadores e ex-secretário de Crespo prestam depoimento no Gaeco

Os parlamentares Fausto Peres (Podemos) e Vitão do Cachorrão (MDB) foram à sede do Gaeco
Werinton Kermes chega à sede do Gaeco, em Sorocaba. Crédito da foto: Fábio Rogério (30/7/2019)

Os vereadores Fausto Peres (Podemos) e Vitão do Cachorrão (MDB) prestaram depoimento nesta terça-feira (30) no Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), braço do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP). O Gaeco já realizou trabalhos no sentido de apurar denúncias de favorecimento envolvendo vereadores da Câmara de Sorocaba.

Leia mais  Gaeco investiga oferta de cargos a vereadores em Sorocaba

 

No Gaeco, ontem, também esteve e prestou depoimento o ex-secretário de Cultura da Prefeitura de Sorocaba, Werinton Kermes. Ele chegou à unidade do MP acompanhado do advogado Rodrigo Monteiro. Na semana passada, o Gaeco já realizou trabalhos no sentido de apurar denúncias de favorecimento envolvendo vereadores da Câmara de Sorocaba.

O vereador Fausto Peres, ao deixar o prédio do Gaeco, afirmou que foi ouvido como testemunha e não como acusado. Ele negou que tenha ou que teve cargos com indicação sua na Prefeitura de Sorocaba, incluindo o atual secretário de Cultura. Segundo ele, Rinaldo Nunes da Silva está há muito tempo no Executivo.

Já o vereador Vitão do Cachorrão alegou que foi ouvido como investigado. Ele também negou que tenha ou que teve algum funcionário indicado na Prefeitura de Sorocaba. Werinton Kermes disse que pouco pode contribuir, já que os questionamentos, segundo ele, eram sobre os atuais servidores comissionados e como ele não atua na pasta, não pode dar mais detalhes.

Conforme a promotora Maria Aparecida Rodrigues Mendes Castanho, integrante do Gaeco, as pessoas estão sendo ouvidas como testemunhas, por enquanto, “a fim de melhor apurar a denúncia que foi feita” à instituição. A fala vai na linha do que afirmou recentemente ao Cruzeiro a promotora Helena Cecília Diniz Teixeira Calado Tonelli, que conduz a investigação.

O empresário Antônio Bocalão Neto também este no Gaeco, mas não prestou depoimento. Ele só teria ido ao local para checar quando vai depor. Não foi informado sobre o motivo do depoimento.

Distribuição de cargos

Um material recebido pelo Cruzeiro do Sul e que compõe a investigação do MP, em tese, detalha como seria a distribuição dos cargos na volta do prefeito José Crespo ao reassumir o mandato em 2017, após ser cassado pela Câmara. Nele, alguns vereadores são definidos com prioridade para indicar ocupantes de cargos e até aqueles que seriam descartáveis, sendo sete parlamentares. Em outro trecho do documento, há a menção de que alguns vereadores deveriam ser consultados antes das nomeações. O documento ainda aponta que dos 48 cargos supostamente disponíveis, cinco seriam para cargo de carreira e 10 seriam de indicação do prefeito José Crespo. Treze vereadores, conforme o material, teriam o direito de indicar 24 cargos.

Questionada ontem sobre a questão, a Prefeitura de Sorocaba informou que desconhece o referido documento, “mas atesta que o mesmo é fake”. “Por qual motivo um documento supostamente de outubro de 2017 “surgiria” cerca de 2 anos depois e às vésperas da sessão extraordinária que irá votar o relatório da Comissão Processante?”, questiona. Por fim, o Executivo lembra que os critérios de nomeação respeitam os princípios constitucionais. (Marcel Scinocca)

Atualizado às 23h10

Comentários