Sorocaba e Região

Vereador Hélio Brasileiro contesta vetos do Executivo a projetos

O vereador Engenheiro Martinez (PSDB), líder de governo na Câmara, já sinalizou que os vetos deverão ser derrubados
Vereador contesta vetos do Executivo a projetos
Hélio Brasileiro: “vou embora”. Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (27/9/2019)

 

A prefeita Jaqueline Coutinho (PDT) vetou dois projetos de lei do vereador Hélio Brasileiro (MDB). Um deles trata da colocação de bloqueadores de ar em hidrômetros em imóveis comerciais e residenciais de Sorocaba. A situação gerou indignação do vereador.

Durante a edição desta quarta-feira (9) do Jornal da Cruzeiro, da Cruzeiro FM 92,3, a prefeita defendeu que os vetos ocorrem com pareceres técnicos. “Não é da minha cabeça”, diz sobre o parecer do projeto que envolve o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae). “Isso aí só favorece a quem comercializa”, diz de forma enfática. Ela ainda citou a contaminação como possibilidade após a instalação do equipamento.

Na mensagem ao Legislativo sobre o veto, Jaqueline Coutinho argumenta que estudos mostram que o equipamento tem pouca eficácia na economia.

Leia mais  Projeto de lei autoriza bloqueadores de ar em hidrômetros

 

Sobre o outro projeto vetado – que trata da não contratação de empresas condenadas por corrupção –, a chefe do Executivo disse que só é possível apenas às empresas. “Isso é impossível do ponto de vista legal. É inconstitucional”, disse sobre o projeto. Ela foi além. “Não adianta a gente ter postura meramente política para agradar a plateia”, afirmou.

Nesse caso, na mensagem ao Legislativo, a prefeita alega que a iniciativa usurpa poderes sobre a questão, que são da União.

“Vou embora dessa Casa”

Na sessão ordinária da Câmara de Sorocaba de terça-feira, Hélio Brasileiro desabafou ao falar dos vetos. “É uma lei constitucional. Todo mundo que se diz aqui contrário à corrupção elogiou. Em outras palavras, empresas corruptas, condenadas, vão poder continuar prestando serviço”, disse com relação ao veto ao projeto sobre contratação de empresas condenadas.

Leia mais  Combate à 'praga da corrupção' deve respeitar garantias, diz desembargador

 

“Sinceramente, eu sou médico. Não preciso de política. Eu quero colaborar porque me considero uma pessoa de boa fé. Mas se quando a gente conseguir tomar uma atitude contra corrupto a prefeita vetar essa lei e que corrupto continue servindo a nossa cidade, a nossa Câmara, eu vou embora dessa Casa. Não tem sentido de eu estar aqui”, disse.

O vereador Engenheiro Martinez (PSDB), líder de governo na Câmara, já sinalizou que os vetos deverão ser derrubados. (Marcel Scinocca)

Comentários