Sorocaba e Região

Vacinação contra pólio termina nesta quinta (29) e a procura ainda é baixa

Não existe tratamento específico para a poliomielite, todas as pessoas contaminadas devem ser hospitalizadas
Vacinação contra pólio encerra amanhã
A imunização das crianças é a única forma de prevenir a doença. Crédito da foto: Vinícius Fonseca / Arquivo JCS (5/10/2020)

A Secretaria Municipal de Saúde (SES) de Sorocaba está fazendo um apelo aos pais de crianças com idade entre 1 a 4 anos, para que levem seus filhos dessa faixa etária até uma Unidade Básica de Saúde (UBS) para receber a vacina contra a poliomielite.

A campanha de vacinação será encerrada nesta quinta-feira (29) e a procura ainda está muito abaixo do programado pelas autoridades de saúde na cidade. Até a segunda-feira (26), somente 9.463 crianças tinham sido vacinadas, o que significam 30,28% do público-alvo nessa faixa etária que é de 31.256.

A vacinação tem como objetivo reduzir o risco da reintrodução do poliovírus e promover acesso às vacinas. Os pais devem ir às UBSs com suas crianças e adolescentes, levando a caderneta de vacinação para avaliação e registro.

Para saber o endereço das UBSs de Sorocaba, basta acessar o link https://servicos.sorocaba.sp.gov.br/selu/#/.

A doença

A poliomielite, também chamada de pólio ou paralisia infantil, é doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus, que pode infectar crianças e adultos e, em casos graves, pode levar a paralisias musculares, em geral nos membros inferiores, ou até mesmo à morte. A vacinação é a única forma de prevenção.

Leia mais  Mulher é presa suspeita de matar atual companheira do ex-marido

A falta de saneamento, as más condições habitacionais e a higiene pessoal precária são fatores que favorecem a transmissão do poliovírus, por meio do contato direto com fezes ou com secreções eliminadas pela boca das pessoas doentes.

Não existe tratamento específico para a poliomielite, todas as pessoas contaminadas devem ser hospitalizadas, recebendo tratamento dos sintomas de acordo com o quadro clínico. Entre os sintomas mais frequentes estão febre, dor de cabeça e no corpo, vômitos, espasmos e rigidez na nuca. Na forma paralítica ocorre a súbita deficiência motora, acompanhada de febre, flacidez e assimetria muscular e persistência de paralisia residual (sequela) após 60 dias do início da doença.

As sequelas são tratadas por meio de fisioterapia e de exercícios que ajudam a desenvolver a força dos músculos afetados. Além disso, pode ser indicado o uso de medicamentos para aliviar as dores musculares e das articulações. (Da Redação, com informações da Secretaria Municipal da Saúde e Agência Brasil)

Comentários