Sorocaba e Região

Sorocabana é finalista no Miss Brasil Cadeirante 2020

Comunicativa e carismática, Vanessa tem dedicado parte do seu tempo livre para engajar amigos e familiares
Sorocabana é finalista no Miss Cadeirante
Vanessa vê no concurso uma oportunidade de mostrar a beleza da mulher com deficiência. Crédito da foto: Arquivo Pessoal

A sorocabana Vanessa Fonseca Soares está entre as finalistas do concurso Miss Brasil Cadeirante 2020, que pela primeira vez, em virtude da pandemia da Covid-19, acontece pela internet.

A agente técnica administrativa de 33 anos revela que foi surpreendida ao ter a sua inscrição aceita “aos 45 minutos do segundo tempo”, após ter entrado em contato com a organização do evento apenas para obter mais detalhes e avaliar a possibilidade de participar em 2021. “Me pediram para enviar duas fotos […] Quando eu vi, já estava inscrita no concurso”, comenta. “Estou muito contente, porque o concurso é uma maneira de mostrar a beleza da mulher por trás da sua deficiência”, complementa Vanessa.

E é justamente esse o intuito do concurso, segundo a idealizadora Lu Rufino. Advogada e porta-bandeira da escola de samba Embaixadores da Alegria, do Rio de Janeiro, Lú também é cadeirante e afirma que a ideia do concurso surgiu em 2017, quando precisou apresentar um seminário sobre deficiência na faculdade. “Percebi que quando a gente fala de deficiência, quase sempre o assunto dominante é reclamação, sobre acesso a prédios, rampas, ônibus. Minha proposta foi diferente, eu queria mostrar a deficiência na sua potencialidade e não na dificuldade”, comenta.

 

Lu detalha que realizou pesquisa e descobriu que até então não existia nenhum concurso de beleza de abrangência nacional com viés inclusivo às pessoas com deficiência física. “Patenteei o nome Miss Cadeirante, o registrei no cartório e comecei a realizar desfiles com as misses”, diz. Desde então, o concurso vem numa crescente: em 2017 o certame contou com 15 candidatas. Em 2019 foram 50 e, neste ano, 154.

Comunicativa e carismática, Vanessa tem dedicado parte do seu tempo livre para engajar amigos e familiares a votarem no concurso, já que o voto popular se somará ao do juri, composto por 50 personalidades convidadas, entre artistas, atletas paralímpicos, coreógrafos, entre outros. As votações podem ser feitas nos perfis oficiais do concurso no Facebook e no Instagram: @misscadeiranteoficial.

 

Cadeirante em virtude de uma má formação congênita chamada mielomeningocele, Vanessa se define como uma mulher “bastante ativa”. Além de trabalhar na biblioteca do Senac Sorocaba, ela cursa Pedagogia, faz musculação, aulas de dança, de artes marciais nas modalidades tai chi e kung fu e mantém contrato com uma agência de modelos. “Decidi também participar do concurso para mostrar eu me aceito como sou e a gente não viver reclusa ou ter vergonha dessa condição”, complementa. (Felipe Shikama)

Comentários