Sorocaba e Região

Sorocaba é a 29ª cidade mais inteligente do País

Município subiu 13 posições no ranking em relação ao estudo realizado no ano passado
Sorocaba é a 29ª cidade mais inteligente do País
Pesquisa avalia o potencial de desenvolvimento das cidades em relação aos principais eixos de ação. Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (13/3/2015)

Sorocaba é a 29ª cidade mais inteligente do País, segundo o Ranking Connected Smart Cities 2018, o principal estudo sobre municípios com maior potencial de desenvolvimento do Brasil, realizado pela Urban Systems, em parceria com a Sator. Em relação ao ano passado, quando ocupava o 42º lugar, o município subiu 13 posições. Se comparado ao resultado de 2017, a cidade evoluiu 31 colocações, deixando o 60º lugar. No Estado de São Paulo, Sorocaba está em 11º lugar no ranking geral.

O estudo leva em conta os resultados dos municípios em 11 eixos, que são Mobilidade e Acessibilidade, Urbanismo, Saúde, Educação, Energia, Economia, Meio Ambiente, Tecnologia e Inovação, Segurança, Empreendedorismo e Governança.

A pesquisa tem como objetivo conectar as cidades, sejam elas pequenas ou grandes metrópoles. Ao menos 700 foram avaliadas. Levando em conta a Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), a segunda melhor colocada no quadro geral foi Itu, que saltou do 87º lugar no ano passado para 50º em 2019. Salto é a outra cidade da RMS que aparece no quadro geral, em 79º lugar.

No Estado, Sorocaba fica atrás de Araras, Ribeirão Preto, Jaguariúna, Valinhos, Piracicaba, São Bernardo do Campo, Jundiaí, Santos, São Caetano do Sul, a capital paulista e Campinas, que lidera o ranking. Sorocaba também apresenta melhores resultados do que seis capitais brasileiras: Salvador (39°), Goiânia (40º), Cuiabá (43º), Natal (69º), Fortaleza (71º) e Teresina (93º).

Destaques RMS

Entre os 11 eixos analisados pelo estudo, Sorocaba teve o melhor resultado em Meio Ambiente, ocupando a 8º colocação, seguida por Itu (9º), Votorantim (10º) e Salto (14°). Em cada eixo os municípios recebem pontuações conforme cada indicador avaliado, como percentual de tratamento de esgoto, coleta de resíduos sólidos e reciclagem. Algumas cidades são destaques nos rankings por eixo, mas por conta do resultado ruim em outras categorias analisadas pode não aparecer no ranking geral.

No quesito Mobilidade, Sorocaba é a única cidade da RMS a aparecer entre as 100 melhores do país, na 31° posição. O mesmo ocorre com o item Empreendedorismo (69º) e Governança (82º). Sorocaba não pontuou o necessário para participar da lista nos eixos Urbanismo, Saúde, Educação, Economia e Segurança.

Em Urbanismo, Salto tem o melhor desempenho da RMS, em 14º lugar, seguida por Tatuí (43º) e Itu (43º), que aparece também em 63º em Tecnologia, assim como Sorocaba, em 37º. Nenhum município da RMS pontuou o necessário nos indicadores de Saúde, que é liderado por Vitória, no Espírito Santo. São Roque é a única cidade da RMS a aparecer na lista de Educação, em 31º. Itu foi o único município no quesito Economia, com a 69º colocação.

As cidades mais seguras da RMS, segundo o estudo, são Itu, em 10º lugar; Votorantim, em 65º, e Boituva, em 78º.

Meio Ambiente obtém o melhor resultado

Sorocaba é a 29ª cidade mais inteligente do País
Práticas de gestão ambiental colocaram Sorocaba na oitava posição no Estado. Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (1/8/2017)

O bom resultado de Sorocaba quando se fala em Meio Ambiente reflete também na economia da cidade, que é exemplo quando se fala na aplicação de boas práticas ambientais nas indústrias. Paulo Mendonça, diretor de consultoria em gestão ambiental e professor universitário da Esamc, destaca que as cidades que integram a Região Metropolitana de Sorocaba (RMS) de desenvolvem cada dia mais neste eixo.

Mendonça conta que somente no ano passado foram emitidas para indústrias da RMS 38 certificações ISO 14.001, que é o Sistema de Gestão Ambiental que permite uma organização desenvolver uma estrutura para a proteção do meio ambiente. “As grandes indústrias também exigem de seus prestadores de serviço e fornecedores esses sistemas de preservação ambiental e dessa forma o cuidado se propaga”, afirma o especialista. Somente neste ano, 29 certificações já foram emitidas.

Sorocaba é a 29ª cidade mais inteligente do País
Paulo Mendonça:exemplo de ações. Crédito da foto: Erick Pinheiro / Arquivo JCS (27/8/2014)

A 8º colocação no eixo, que deixa Sorocaba à frente da capital paulista, que só aparece na 17ª posição, reforça as afirmações de Mendonça, que constantemente é contratado por empresas de São Paulo para desenvolver planos de gestão ambiental. “Sorocaba está realmente nas cabeças quando se fala de controle e conscientização e serve de exemplo para outras cidades e capitais”, afirma.

Uma mudança de mentalidade do empresário, defende Mendonça, é o que vem tornando essa preocupação com o meio ambiente algo mais natural. “A porrada inicial veio em 2009, com a lei de crimes ambientais. A vinda das multinacionais para Sorocaba também forçou essa mudança de cultura.” As novas gerações, que hoje estão ingressando nas grandes corporações, conta Mendonça, também tornam a preocupação com o meio ambiente uma pauta importante.

Conectividade e informação, analisa o economista Geraldo Almeida, que também é o delegado do Conselho Regional de Economia (Corecon), são as palavras-chave para que Sorocaba se torne uma grande cidade inteligente e conquiste resultados ainda melhores nos próximo anos. “Uma cidade com infraestrutura para receber pessoas se torna mais competitiva e atrativa para os investimentos, então é um círculo”, define.

Sorocaba é a 29ª cidade mais inteligente do País
Geraldo Almeida: atração de investimentos. Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (7/8/2014)

Nas áreas que Sorocaba não pontuou o suficiente para aparecer entre as 100 melhores do País, como Urbanismo, Saúde, Educação, Economia e Segurança, Almeida, que já foi diretor da Agência Metropolitana e secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, atribui à falta de políticas públicas. “Não é responsabilidade de um governo específico, mas sim da falta de continuidade e pela incapacidade de aproveitar todas as oportunidades disponíveis no município”, finaliza. (Larissa Pessoa)

Comentários