Sorocaba e Região

Solenidade comemora primeiro ano do Marco da Paz

Solenidade, no Campolim, também homenageou famílias indicadas por entidades
Valores como o amor, a família, a esperança, além da cultura da paz, deram o tom dos discursos das várias autoridades presentes. Crédito da foto: Fabio Rogerio

O primeiro ano de instalação do monumento Marco da Paz, na praça Carlos Alberto de Souza, no Campolim, em Sorocaba, foi comemorado neste sábado (29) pela manhã em solenidade que reuniu em torno de 250 pessoas, segundo avaliação da Polícia Militar. Valores como o amor, a família, a esperança, além da cultura da paz, deram o tom dos discursos das várias autoridades presentes. O idealizador da criação e instalação do Marco da Paz em vários países do mundo, Gaetano Brancati Luigi, de 81 anos, prestigiou o evento.

“O Marco da Paz veio para florescer o amor em cada ser humano”, discursou Luigi. “O ser humano nasce para construir e não para destruir.” Nascido na Itália, aos 8 anos ele testemunhou o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945, época em que conheceu as agruras da fome e da destruição provocadas pelo conflito. O momento histórico foi marcado pelos sinos que ecoaram por toda a Europa anunciando a paz. Na cidade de Orsomarso, província de Cosenza, onde nasceu e viveu a infância, juntou-se a milhares de pessoas que comemoravam a paz. E assim nasceu na sua mente a ideia de criar algo que cativasse os povos e os inspirasse no caminho da paz.

Aos 12 anos, mudou-se para a Argentina e, mais tarde, para o Brasil. Em 1999, então integrado à Associação Comercial de São Paulo, a igreja do Pátio do Colégio, na capital, recebeu um novo sino por sua iniciativa e essa ação deu origem ao monumento Marco da Paz. A estrutura do símbolo é formada por um arco com pedras claras, uma pomba artificial e um sino de cobre com a gravação da mensagem “Paz pela união dos povos”.

No Brasil, o Marco da Paz foi constituído pela primeira vez no Pátio do Colégio, em São Paulo, e o de Sorocaba integra uma lista que acumula mais de 30 monumentos espalhados pelo País e pelo mundo. O objetivo é cada lugar ser utilizado pelas instituições como um espaço para a realização de eventos que promovam reflexões e cultura da paz. Outras cidades da região, entre as quais Itapetininga, Itu, Votorantim e Tatuí, deverão ser as próximas a receberem o monumento.

Mensagens

O prefeito José Crespo (DEM) disse em discurso que a expressão mais forte da humanidade “é o amor a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”. O passo seguinte, acrescentou, é a paz, e acredita que a rota sugerida por esse caminho leva ao encontro da “felicidade”.

O presidente da Associação Comercial de Sorocaba, empresário Sérgio Reze, falou sobre a necessidade de interiorizar o conceito de paz em cada ser humano como ideia que alcance corações e mentes. O atual momento de polarização na política brasileira inspirou sua fala: “Chega: o Brasil está cansado de ideologia, de partidos e de supostas lideranças que pregam a briga, a separação.”

O empresário José Roberto Cépil, vice-presidente da Federação das Associações Comerciais de São Paulo (Facesp), e João Bico de Souza, representante da Associação Comercial de São Paulo, também falaram sobre o monumento Marco da Paz. Também participaram do evento o coronel Antonio Valdir, comandante do Comando do Policiamento de Área do Interior 7 (CPI-7), o coordenador do Marco da Paz, Amir Massis, e o chefe de instrução do Tiro de Guerra, subtenente Flávio Lisboa Afonso.

Famílias

Famílias indicadas por instituições e entidades também foram homenageadas no evento. Entre elas, a família do ex-prefeito e ex-deputado federal Renato Amary, presidente do PPS. Com a satisfação de ter reunido no evento boa parte da sua família, Amary agradeceu aos organizadores da iniciativa por “este momento de muita harmonia, muita paz, muito amor à nossa Pátria”.
O advogado Shobei Watanabe, ao também receber homenagem junto com sua família, disse que o ato constitui “responsabilidade de difundir cada vez mais a paz em Sorocaba e no mundo”.

Ele falou da satisfação de ter estado em 2015 na cidade japonesa de Hiroshima, destruída por uma bomba atômica em agosto de 1945, e de ter conhecido o Marco da Paz naquela região.
Outras famílias igualmente homenageadas foram as de Tânia Cristina Alves, a professora Maria de Lourdes Caldana, diretora tesoureira da Integrar, o arcebispo metropolitano dom Juilio Akamine (representado pelo padre Manoel César de Camargo Júnior), o inspetor da Guarda Civil Municipal (GCM) Marcos José Antonio Ferreira, o engenheiro Márcio Kyiama, o casal Luís Fernando e Ana Cristina Pacileo, o ex-delegado de polícia e ex-vice-prefeito José Ailton Ribeiro, a policial militar Cristiane Mota Santos, e Márcia Stefan, da família Stefan. O público também se divertiu com apresentações culturais de música e dança, entre elas o grupo Inazuma Taiko, o coral da Igreja de Jesus Cristo de Santos dos Últimos Dias, a dançarina Surah e um grupo de tradições gaúchas.

Comentários
Assuntos