Sorocaba e Região

Sepultura vira lixeira no cemitério da Consolação

Cemitério continua sofrendo com o abandono. Prefeitura diz que vai reforçar a limpeza
Sepultura vira lixeira no Consolação
Lixo é jogado dentro de sepultura que foi violada no cemitério da Consolação, na Vila Haro – Foto: Emidio Marques (11/02/2019)

O cemitério da Consolação, na Vila Haro, permanece com mato alto, calçamento esburacado, e até sepulturas abertas, uma delas é usada como depósito de lixo. A situação, que já havia sido apontada pelo Cruzeiro do Sul há pouco mais de um mês, continua a gerar insegurança aos visitantes, tanto pelo aspecto da falta de manutenção, como pela segurança do local. Isso porque, segundo reclamam, furtos de peças dos jazigos são constantes, além da presença de desocupados.

Logo na entrada do cemitério, pela praça do Viajante, é só olhar para a esquerda que logo é avistada uma sepultura sem as letras e fotos, com marcas nítidas de que foram arrancadas. Mais abaixo, outras duas sepulturas são separadas por plantas nascidas de suas próprias paredes. Pelo outro lado do corredor central, uma rua da quadra 62A está com muito mato.

Leia mais  Má conservação do Cemitério da Consolação gera críticas em Sorocaba

 

A situação de abandono também é percebida em túmulos abertos das quadras 36A e 41A, sendo que este inclusive é praticamente utilizado como lixeira, com entulhos e até mesmo um balde jogado em seu interior. A calçada central, que dá acesso à quadra 41A está também com mato alto, buracos e pedras soltas.

Sepultura vira lixeira no Consolação
Natália: medo de ir sozinha – Foto: Emidio Marques (11/02/2019)

Para a vendedora Natália Hessinauer, visitar o cemitério somente acompanhada. Segundo ela, “mês passado vim sozinha e senti medo, por conta de alguns andarilhos que vinham pedir dinheiro. Hoje eu vim com o meu pai”, salientando ainda que a falta de manutenção deixa muito a desejar, podendo inclusive causar algum acidente, tendo em vista os buracos. Mas segundo ela, “embora a Prefeitura deva fazer sua parte roçando os matos e deixando as calçadas transitáveis, os proprietários das sepulturas também precisam cuidar das mesmas”, destacou.

Prefeitura

Na ocasião da reportagem publicada no dia 9 de janeiro, citando exatamente o mesmo estado de abandono reclamado pelos usuários do cemitério da Consolação, fundado em 1938, a Prefeitura respondeu que as chuvas do final do ano passado teriam colaborado para que o mato crescesse mais rápido, mas que todo próprio municipal é monitorado mensalmente, e que a cada 60 dias em média os serviços de limpeza são executados. A Prefeitura também havia informado ter dedetizado os quatro cemitérios municipais no segundo semestre do ano passado.

Sepultura vira lixeira no Consolação
Como o Cruzeiro denunciou há um mês, mato continua a crescer nos corredores do cemitério – Foto: Emidio Marques (11/02/2019)

Novamente a reportagem questionou a Prefeitura, e segundo a Secretaria de Conservação, Serviços Públicos e Obras (Serpo) o serviço de manutenção (carpinagem/rocagem) foi reforçado e, para isso, dobrou o número de cooperados trabalhando no local desde o começo da semana passada.

Sobre a insegurança no cemitério, informou que a Guarda Civil Municipal (GCM) vem realizando patrulhamento periodicamente, “inclusive com paradas pelo local, mesmo assim será intensificado o reforço no referido espaço público. Importante destacar que não há ocorrência referente a furto e danos no local neste ano”.

Comentários