Sorocaba e Região

Samu registra média de 21 trotes por dia em Sorocaba

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-192) recebeu no primeiro semestre deste ano 99.134 ligações, sendo 3.889 identificadas como trotes, média de 21 trotes por dia. Apesar do número considerável, houve uma redução de 623 ligações em comparação ao primeiro semestre de ano passado. De acordo com a Secretaria de Saúde (SES), em 2017, de janeiro a junho, 103.007 ligações foram recebidas e 4.515 identificadas como falsas chamadas.

O operador da Central de Regulação de Urgências, situada à avenida Independência, 4.193, no Éden, integrada ao Corpo de Bombeiros, ao perceber que se trata de um trote, informa que o número do telefone está sendo identificado no sistema e a ligação está sendo gravada, podendo ser localizado, inclusive, de onde está sendo originada a chamada. Todas as telefonistas possuem a orientação de que, ao ser identificado o trote, deve-se abreviar a comunicação ao máximo para que a linha não fique ocupada para ligações que realmente sejam urgentes e verdadeiras.

Leia mais  Campanha arrecada duas mil cestas básicas

Segundo o chefe de Seção do Samu, Nilson Gonsalves Ribeiro, na maioria das vezes, os trotes são realizados por crianças. “Em alguns casos, até mesmo pacientes psiquiátricos ligam para a central”, explica. Nilson também ressalta que é preciso conscientização da população nesse tipo de brincadeira de mau gosto que pode custar a vida de alguém. O Samu conta com três rádios operadores, 18 telefonistas, 24 condutores, 30 técnicos de enfermagem, sete enfermeiros e 29 médicos no time de profissionais.

Todas as solicitações são feitas por meio de ligação gratuita para o 192. Essas chamadas são atendidas na Central de Regulação do Samu e, imediatamente, são triadas por atendentes telefonistas auxiliares de regulação médica (TARM). De acordo com a solicitação e a classificação de urgência, a chamada é encaminhada para a central de ambulâncias ou para o médico do Samu. O médico fala com o solicitante e pede informações para poder definir qual é o atendimento mais adequado para o tipo da ocorrência.

Comentários