Sorocaba e Região

Saae retira algas da bacia de contenção do Jd. Abaeté

Remoção da vegetação aquática tem sido diária, inclusive nos finais de semana
Saae retira algas da bacia de contenção do Jd. Abaeté
Bacia estava coberta por algas, devido ao crescimento rápido da vegetação aquática, em função das altas temperaturas em conjunto com a umidade. Crédito da foto: Fábio Rogério (2/3/2021)

A Prefeitura de Sorocaba, por meio do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), ampliou o trabalho de remoção de algas na bacia de contenção localizada no Jardim Abaeté, junto ao Parque das Águas.

Desde o dia 23 de fevereiro, a equipe utiliza uma retroescavadeira adaptada para fazer a remoção, o que permitiu ampliar a quantidade de algas retiradas, equivalente a 15 caminhões tipo basculante por dia, já tendo retirado mais de 1.400 metros cúbicos de vegetação.

Inicialmente, em janeiro deste ano, os serviços foram realizados ao longo de duas semanas e, depois, foram retomados em fevereiro, devido ao crescimento rápido da vegetação aquática, em função das altas temperaturas em conjunto com a umidade. Desde então, trabalhadores do Saae têm permanecido no local durante todo o dia, inclusive aos fins de semana.

Leia mais  Sorocaba recebe a notificação de mais seis mortes e 195 novos casos de coronavírus

Em um primeiro momento, o serviço era manual, com a retirada de uma quantidade equivalente a de três caminhões cheios, por dia. A alternativa encontrada foi adaptar uma estrutura gradeada em metal, na pá de uma retroescavadeira. “Quintuplicamos a quantidade de algas retiradas diariamente. Uma equipe embarcada, equipada com cordas, faz o arrasto das algas para um ponto ao alcance da retroescavadeira”, explicou o diretor-geral do Saae, Ronald Pereira da Silva.

Nova estratégia

A partir de hoje (3), uma nova estratégia será adotada. Como as algas estavam compactadas, com a retirada de material, elas se espaçaram e são levadas mais facilmente pelo vento. Um bambu preso com uma corda será usado na superfície do lago para delimitar a área já limpa e evitar o retorno de algas de outras partes do manancial.

Leia mais  Aumento no preço do gás natural impacta negativamente na indústria

“O avanço nos trabalhos está sendo muito positivo. Sempre fizemos o monitoramento visual da quantidade de algas, para retirar a vegetação no início do aumento da quantidade. Porém, desta vez, o crescimento foi mais acelerado”, complementou Ronald. A vegetação retirada da bacia é levada de caminhão para uma área de depósito de materiais do Saae, nas proximidades do Jardim Abaeté. Depois, o transporte é feito para o aterro de inertes da cidade.

Parte do trabalho de remoção das algas está concentrada nas proximidades da Estação Elevatória de Águas Pluviais. Mesmo com essa vegetação em quantidade, segundo o Saae, não há risco de obstrução das bombas antienchente, usadas para fazer o recalque da água da bacia de contenção para o rio Sorocaba. Isso porque há gradeamento para reter esse tipo de material.

Leia mais  Vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira e terá três etapas

O Saae realiza o monitoramento da água e dos peixes da bacia de contenção do Jd. Abaeté, que ocupa uma área de 24 mil metros quadrados e tem capacidade para 48 milhões de litros de água. Os trabalhos de retirada das algas continuarão regularmente, enquanto for necessário, uma vez que elas têm crescimento acelerado, principalmente nesta época do ano. (Da Redação, com informações da Secom Sorocaba)

Comentários