Sorocaba e Região

Saae quer captar água do rio Sorocaba até julho deste ano

Para autarquia, uso dessa água no abastecimento é solução em períodos de estiagem; mas há discordância
Água do rio vai ser tratada na ETA do Vitória Régia, cuja construção está sendo finalizada pelo Saae. Crédito da foto: Luiz Setti (22/1/2010)

 

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Sorocaba deverá iniciar a captação de água bruta, para tratamento, direto do rio Sorocaba no final do primeiro semestre de 2020.

A operação será possível, conforme o Saae, com a finalização da Estação de Tratamento de Água (ETA) Vitória Régia. Segundo a autarquia, a ETA Vitória Régia é tida como a solução definitiva para períodos de estiagem prolongada, como os ocorridos em 2014 e no final de 2019 na cidade, e que obrigou os moradores a enfrentarem racionamento de água.

Leia mais  Perda na distribuição de água em Sorocaba atinge 20,3%

 

Porém, o professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar – campus Sorocaba), André Cordeiro Alves dos Santos, que é o coordenador da Câmara de Planejamento do Comitê de Bacias, não acredita que a captação da água bruta do rio Sorocaba, por meio da ETA do Vitória Régia, seja a solução definitiva para os períodos de estiagem.

Segundo o professor, Sorocaba cresceu nos últimos anos, mas faltou planejamento em relação, por exemplo, ao abastecimento de água para toda a população da cidade, de quase 700 mil habitantes.

Além disso, o professor também questiona o fato de a captação da água direto do rio Sorocaba, a longo prazo, poder prejudicar alguns municípios da região, e que também utilizam água do rio, como Iperó e Laranjal Paulista.

Leia mais  Represas não passam por trabalho de desassoreamento

 

Evitar perdas

Outro fato apontado pelo pesquisador, é que as perdas de água ocorridas durante os processos de captação, tratamento e distribuição de água ainda são um problema que o Saae Sorocaba não conseguiu solucionar. Para ele, a solução de tal fato poderia contribuir bastante, principalmente, nos períodos de estiagem.

O professor destaca também o alto consumo de água tratada na cidade por conta do crescimento do município. “A cidade cresce sem levar em conta a quantidade de água disponível, mas a disponibilidade de água é um fator climático e geográfico, ou seja, nos períodos de estiagens consequentemente temos menos água disponível”, alerta o professor.

Leia mais  Nova ETA é resultado de investimento de R$ 78 milhões

 

André Cordeiro afirma ainda que nos períodos de seca a água costuma faltar em Sorocaba primeiro nas áreas mais periféricas, ou seja, nos bairros que estão mais longes da Estação de Tratamento de Água Dr. Armando Pannunzzio (ETA Cerrado).

Para ele, um dos benefícios da ETA Vitória Régia é deixar a distribuição de água tratada mais próxima da maior demanda, como a zona norte da cidade. “Vai melhorar a distribuição da água tratada na cidade e diminuir as perdas durante o processo, mas a inauguração da ETA Vitória Régia não vai significar aumento muito maior no volume de água captada”, diz.

O professor afirma ainda que o Saae Sorocaba perde muita água no tratamento na ETA Cerrado e que somado ao excesso de consumo, as perdas chegam a 40%. “A região de Sorocaba já possui déficit hídrico, pois usa a água sem controle e sem ter”, destaca André Cordeiro. (Ana Cláudia Martins)

Leia mais  Retirada para ETA será de 0,75 metros cúbicos por segundo
Comentários