Covid-19 Sorocaba e Região

Restaurantes e lojas de Sorocaba recorrem ao delivery para manter vendas

Serviços não essenciais precisaram interromper as atividades durante a quarentena pelo novo coronavírus
Empresária de Sorocaba fechou a loja física e intensificou o serviço de entrega de roupas. Crédito da foto: Divulgação

O serviço de delivery tem sido a salvação para muitos restaurantes e lojas de Sorocaba, principalmente para os micro empreendedores. Por conta da pandemia do novo coronavírus e à quarentena decretada em todo o Estado, serviços não essenciais precisaram interromper as atividades, porém as contas não param de chegar e por isso manter o atendimento por meio das entregas vem sendo a solução. 

Para não demitir funcionários, mas evitar mais despesas, o empresário Tiago Oliveira, proprietário do restaurante Cozinha Fit, deu férias coletivas para mais da metade da equipe e passou ele mesmo a realizar as entregas aos clientes.

Tiago Oliveira, proprietário do restaurante Cozinha Fit. Crédito da foto: Divulgação

“Os pedidos por delivery cresceram, mas como essa situação é muito incerta e não se sabe por quanto tempo vai permanecer, eu também não sei até quando as pessoas vão continuar consumindo, mas eu trabalho com alimentação, que é um item essencial, estão espero que a gente consiga se manter”, contou ele, que fechou os restaurante e por isso concedeu férias aos funcionários que atendiam no salão. 

Outra medida para manter o negócio em funcionamento foi inserir o cardápio do restaurante nos aplicativos de delivery “Antes as entregas eram feitas só pelo nosso motoboy, mas agora sentimos a necessidade de ampliar essa possibilidade”, conta. Além dele e do motoboy fixo do restaurante, a esposa e mais um funcionário estão colaborando para que as refeições cheguem até os clientes. 

Carolina Corrêa de Oliveira deu férias coletivas para os funcionários e está ela mesma preparando os pedidos que a cafeteria recebe por encomenda. Crédito da foto: Divulgação

Já Carolina Corrêa de Oliveira, 25, proprietária do Caravellis Café, que fica no Iguatemi Business, optou por fechar a cafeteria e retirar os itens que antes estavam nos aplicativos de entrega de comida. “As taxas estão muito altas e eu cheguei a testar na semana passada atender somente esses pedidos, mas não valia a pena”, contou. Desde segunda-feira o estabelecimento está fechado e os seis funcionários e um estagiário estão em férias coletivas. 

Para manter alguma renda com o negócio, Carolina conta que disponibilizou seu whatsapp para receber pedidos e agora está atendendo somente por encomenda. “Infelizmente está bem fraco, mas eu tento acumular alguns pedidos e aí vou para a cafeteria preparar e depois eu mesma faço as entregas”, contou ela, com a esperança de que o período complicado passará em breve. 

Roupa delivery 

O que surgiu há cerca de quatro para facilitar a vida das clientes do Holly Retrô, hoje é a principal forma de venda de Natália Carriel, 32. Na sexta-feira ele fechou a loja de roupas, localizada na Vila Santana e intensificou o serviço de entrega.

No período da quarentena a entrega é gratuita na loja de Natália. Crédito da foto: Divulgação

“No antigo endereço da loja era bem difícil para estacionar e disso surgiu o delivery, que agora é a minha solução para manter o mínimo das vendas para conseguir ao menos pagar as contas fixas”, relatou. 

No período da quarentena a entrega é gratuita na loja de Natália e o cuidado com as roupas é um diferencial. “As vendas caíram bastante e mesmo antes do município determinar o fechamento das lojas eu já tinha me preparado pela questão de segurança e porque o movimento estava mais baixo. Eu estou reativando o site do Holly Retrô para as compras online também”, contou a empresária. 

Comentários