Sorocaba e Região

Região de Sorocaba soma a maior alta de celulares do País

Segundo a Anatel, em agosto, o DDD 15 ganhou 200 mil novas linhas, totalizando 2,3 milhões de usuários
Região têm maior alta de celulares do País
Média da região é de pouco mais de um celular por habitante. Crédito da foto: Emidio Marques (28/10/2019)

Os celulares de DDD 15, que abrange Sorocaba e outras 48 cidades da região, foram os que mais cresceram no País no mês de agosto. Os dados são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e foram divulgados pela Teleco. Com aumento de 2,1%, o DDD passou de 2,1 milhões de aparelhos em funcionamento para um total de 2,3 milhões, ou seja, mais de 200 mil novas linhas.

O DDD 11,referente à capital paulista e Grande São Paulo, é utilizado em 35,9 milhões de celulares, ficando no topo do ranking nacional. O crescimento desse código, porém, foi de somente 0,1%.

A região de Sorocaba, com os resultados de agosto, também passou a figurar como a 15ª com maior densidade de aparelhos celulares do Brasil, com 116,34 aparelhos para cada grupo de 100 habitantes. Em agosto de 2018, esse número era 109,69. Isso representa, segundo a Anatel, que muitas pessoas possuem mais de um aparelho em funcionamento.

Leia mais  Anatel inicia terceira fase de notificação de celulares piratas

 

Essa proporção de densidade registrada em Sorocaba, de acordo com a Anatel, supera DDDs que incluem 19 capitais brasileiras, inclusive o 21, usado no Rio de Janeiro (111,24), e o 27, de Vitória (106,27), no Espírito Santo. A cidade que lidera esse ranking é Campinas, com 154,96 celulares para cada 100 habitantes. Na média, cada pessoa possui um celular e meio.

Praticidade

Seja para o trabalho, estudos ou lazer, o celular faz parte da rotina de milhares de sorocabanos, que depositam em um aparelho, parte significativa de sua vida. O fisioterapeuta Leandro Fernando Garcia, 29, conta que armazena no celular as fichas de seus pacientes, que chegam a 25 por dia. “Se eu esqueço o celular vou precisar fazer tudo manualmente, vai levar mais tempo. O aparelho acaba sendo uma comodidade”, avalia o rapaz, que lembra o período que viveu fora dessa era tecnológica.

Garcia destaca que metade de sua vida foi longe dos aparelhos de celular e acredita que hoje conseguiria sim viver sem essa tecnologia. “Ele pode ser usado para o bem, para facilitar nossa rotina, mas eu sempre fico atento para não passar do ponto. Não esquecer a vida real.” Sobre as ligações, o fisioterapeuta destaca que elas são raras e que utiliza mais o aparelho para mensagens e redes sociais.

Leia mais  Aplicativos e internet mudam hábitos no uso celulares

 

Já para Thalita Cristina Monteiro Santos, 26, gerente comercial de uma rede de restaurantes, é impensável planejar o dia a dia sem o aparelho. “Antes de sair da cama eu já estou com o celular na mão”, afirma. Através do telefone móvel ela conta que cobra fornecedores, alinha demandas do escritório e faz contato com funcionários. No período da manhã Thalita conta que também aproveita para pagar contas através de aplicativos bancários e “quando sobra um tempinho”, dá uma olhada nas redes sociais.

O que para alguns é lazer, para ela faz parte do trabalho. São com contas nas redes sociais que Thalita realiza a divulgação dos restaurantes que gerencia e se por acaso esquecer o aparelho em casa, a única opção é voltar para trás para buscá-lo. “Até mesmo quando vou viajar, a primeira coisa que faço é colocar o celular e o carregador na bolsa”, afirma. (Larissa Pessoa)

Comentários