Sorocaba e Região

Reator em Aramar ampliará serviços com medicina nuclear

Previsão é que complexo, sediado em Iperó, inicie operação em 2024, com investimentos de R$ 500 milhões
Reator ampliará serviços com medicina nuclear
José Augusto Perrota, coordenador do RMB, fez apresentação do projeto ontem. Crédito da foto: Emidio Marques

A construção do Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), anexo a Aramar, em Iperó, deve aumentar a produção de radioisótopos e ampliar a capacidade de atendimento da medicina nuclear no país. O tema foi discutido nesta segunda-feira (5) em um workshop realizado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em Sorocaba. O complexo atualmente está com as plantas finalizadas e deve começar a operar em 2024. No total, o RMB deve receber US$ 500 milhões em investimentos.

Leia mais  Sem acordo, trabalhadores de Aramar podem parar nesta quinta (21)

 

Segundo José Augusto Perrotta, coordenador do projeto do RMB pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), atualmente o Brasil gasta mais de US$ 15 milhões na importação de radioisótopos. “Por ano, são realizados quase 2 milhões de procedimentos de medicina nuclear, e o Sistema Único de Saúde (SUS) corresponde a 25% da demanda nacional”, disse. Com o RMB, defende Perrotta, o país vai suprir os gastos com importações e terá a capacidade de duplicar a quantidade de radiofármacos ofertados à sociedade.

No ano passado o Ministério da Saúde anunciou um aporte de R$ 750 milhões ao projeto e o valor deve ser empregado até 2022. “Esse valor é uma parte do total necessário de investimento, que estamos buscando com o governo federal através de um consórcio com vários ministérios”, disse Afonso Rodrigues Aquino, químico e pesquisador da CNEM que também esteve no evento realizado ontem.

Reator ampliará serviços com medicina nuclear
Afonso Aquino, pesquisador do CNEM. Crédito da foto: Emidio Marques

O diretor da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da PUC-SP, professor-doutor Luiz Ferraz de Sampaio Neto, abriu o workshop e explicou que os radioisótopos são utilizados em muitos procedimentos médicos, principalmente em diagnósticos com imagem e tratamentos de radioterapia para diversos tipos de câncer.

RMB

O RMB é um reator nuclear de pesquisa e produção de radioisótopos elementos ativos dos radiofármacos, usados no diagnóstico e tratamento de câncer e outras doenças. Com a construção do equipamento, o país terá autonomia na produção de radioisótopos e poderá ampliar a capacidade nacional em pesquisa de técnicas nucleares, além de gerar recursos econômicos para o governo federal. “O investimento pode parecer muito alto, mas o bem gerado pelo reator pagará rapidamente o custo. O país deixará de depender de outros países para viabilizar diagnósticos e tratamentos”, afirma Perrotta.

Reator ampliará serviços com medicina nuclear
Luiz Ferraz, diretor da PUC Sorocaba. Crédito da foto: Emidio Marques

Ele destaca que as aplicações do RMB também serão estendidas à agricultura, indústria e meio ambiente. Além disso, o reator servirá para testar e qualificar materiais e combustíveis nucleares. “O complexo em que o RMB será instalado terá, além do reator nuclear de pesquisa, um conjunto de laboratórios. Essa infraestrutura será a base para um grande centro nacional de pesquisa de aplicações de radiação para benefício da sociedade”, disse o especialista.

Evento

Durante o workshop, o físico em medicina Renato Dimenstein participou de discussões relacionada a medicina nuclear e também sobre as possibilidades geradas pelo RMB. Jair Mengatti, também do CNEN, falou sobre os radiofármacos. Já Carlos Alberto Buchpiguel, professor do Departamento de Radiologia e Oncologia da Faculdade de Medicina da USP e do serviço de PET-SCAN do Incor, falou sobre os avanços possíveis através da medicina nuclear.

No período da tarde os professores Luiz Antônio Pires, Mônica Bernardo e Fernando Antônio Almeida coordenaram um debate com outros três especialistas. Foram eles: Cláudio Tinoco Mesquita, Rosângela Corrêa Villar e Helena Regina Comodo Segreto. (Larissa Pessoa)

Comentários