Sorocaba e Região

Presidente da Câmara de Iperó é condenado por ‘trabalho fantasma’

Decisão é da 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo

O atual presidente da Câmara de Iperó, Luís Fernando Paulo Leite, o Fernando Daki (MDB), foi condenado em segunda instância por ser nomeado para exercer atividades na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) e não comparecer ao expediente, o que, em tese, caracteriza o chamado trabalho fantasma. Daki nega irregularidade. O fato teria ocorrido quando Daki atuava como assessor do então deputado estadual Gil Lancaster, à época eleito pelo PSB.

A decisão é da 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e foi tomada no dia 4 deste mês. O acórdão foi publicado na segunda-feira (10). Daki disse que não teve acesso à decisão e que só a partir daí tomará as medidas cabíveis. Ele tem reinterado que não houve qualquer irregularidade.

Em um trecho da decisão, o desembargador afirma que na ação popular o autor alega que os réus incorreram em lesão ao erário por ato ilícito, “eis que com a conivência do então, o corréu Luis Fernando foi nomeado agente de segurança parlamentar da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), mas, no entanto, nunca exerceu a referida função, tratando-se de funcionário fantasma”.

Leia mais  Presidente argentino testa positivo para Covid-19, após ter sido vacinado

Conforme a decisão, a sentença de primeira instância deu correta solução à demanda “e deve ser confirmada por seus próprios fundamentos, não abalados pelas razões de inconformismo”. “Diante do exposto, não se conhece do recurso da Alesp e nega-se provimento aos recursos dos réus”, afirma sentença assinada pelo desembargador Afonso Faro Jr., relator do processo.

O caso

A ação popular contra o vereador e demais envolvidos, foi movida pelo cidadão Lineu Cataldi e tramita desde setembro de 2016. No processo, a denúncia dá conta de que Fernando Daki ocupou cargo em comissão de agente de segurança parlamentar e que, para o exercício do cargo, deveria cumprir uma jornada de trabalho de 40 horas semanais.

Ocorre que, ainda segundo a denúncia, ele não teria exercido as atividades para as quais fora nomeado. Fotos em uma rede social colaboram para a acusação.

“Suas qualificações não são compatíveis com o cargo para o qual foi nomeado, muito menos os serviços narrados se inserem nos ditames normativos. Houve claramente deturpação da função, a qual foi utilizada tão somente para amparar uma contratação ilegal“, diz decisão da Justiça de fevereiro de 2019.

Leia mais  Barreiras sanitárias abordam 44.646 veículos em 11 dias de operação

Fernando Daki, a Alesp e o deputado Gil Lancaster foram condenados a restituírem os prejuízos sofridos pelo erário, do dia 3 de junho de 2015 a 29 de março de 2016. O valor da ação é de pouco mais de R$ 47 mil.

Fernando Daki afirmou que o acórdão ainda não foi publicado e que “assim que tivermos acesso, vamos decidir qual medida será tomada”. Ele também divulgou um vídeo onde Gil Lancaster defende seu trabalho como funcionário da Alesp de forma regular.

A Alesp não respondeu aos questionamentos do jornal. A reportagem não conseguiu localizar Gil Lancaster para comentar a questão. (Marcel Scinocca)

Comentários