Sorocaba e Região

Polícia pede prisão de mãe de aluno que fez ameaças à escola do Sesi em Sorocaba

Segundo investigações da DIG, a mulher foi uma das autoras de postagens sobre supostos ataques
A delegada Luciane Bachir, titular da DIG. Foto: Emídio Marques (29/03/2019)

A Polícia Civil de Sorocaba enviou à Justiça o pedido de prisão de uma mulher de 38 anos que, segundo as investigações, teria feito postagens em redes sociais de ameaças de um possível ataque aos alunos do 1º ao 5º ano da escola do Sesi de Sorocaba, que fica no bairro Mangal. A conclusão das investigações da Polícia Civil sobre os casos de ameaças divulgadas contra a escola foi apresentada na manhã desta sexta-feira (29) na sede da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), que fica no Jardim Astro.

Leia mais  Apreendidos computador e celular de suspeito de ameaça à escola de Sorocaba

 

Segundo a delegada titular da DIG, Luciane Bachir, a mulher foi ouvida pela polícia, mas negou que seja autora de tais postagens. Porém, a delegada disse que a Polícia Civil comprovou que ela e dois adolescentes, um de 14 anos e outro de 16 anos, fizeram postagens em redes sociais com supostas ameaças ao Sesi Sorocaba e sobre o ataque que ocorreu na escola estadual Raul Brasil, na cidade de Suzano, no dia 13 de março e que deixou 10 mortos, entre alunos e funcionárias da escola.

A delegada Luciane Bachir disse ainda que a mulher identificada como autora de algumas das mensagens postadas em redes sociais é mãe de aluno do próprio Sesi Sorocaba e que ela também foi uma das mães que foram até o plantão policial para registrar boletim de ocorrência sobre o caso. Em relação aos dois adolescentes identificados pela Polícia Civil, o inquérito foi encaminhado para a Vara da Infância e da Juventude.

A acusada é mãe de um aluno do próprio Sesi Sorocaba. Foto: Arquivo JCS/ Adival B. Pinto

A Polícia Civil disse ainda que as postagens da mulher e dos adolescentes foram feitas nas redes sociais Facebook, Instagram e no aplicativo de mensagens WhatsApp. De acordo com a delegada, a investigação é sigilosa e por isso não pode ser revelado de que forma a Polícia Civil conseguiu identificar a autoria das postagens nas redes sociais. “A polícia tem conhecimento e treinamento para identificar os autores das postagens na internet mesmo que elas sejam feitas de forma anônima ou por meio de perfis falsos”, disse.

A delegada afirma ainda que também foi cumprido mandado de busca e apreensão na casa da mulher e que equipamentos como notebook foram apreendidos. Mesmo assim, no entanto, ela continuava fazendo postagens suspeitas nas redes sociais usando nomes como “Guto Taucci”, que seria um dos autores do atentado na escola estadual Raul Brasil.

As ameaças virtuais provocaram a suspensão das aulas do Sesi Sorocaba na segunda-feira, 18 de março. A medida foi tomada preventivamente após a instituição receber avisos de violência contra a escola nas redes sociais. Por conta disso, mães de alunos registraram boletins de ocorrência na Polícia Civil, que abriu inquérito para investigar o caso.

Comentários