Sorocaba e Região

Polícia esclarece homicídio de homem na Vila Douglas Lara

Casal acusado do crime foi preso; corpo foi encontrado carbonizado, em setembro
Médico é preso em Salto durante operação contra desvios na saúde
O homicídio foi esclarecido pelo Setor de Homicídios da Deic. Crédito da foto: Fábio Rogério (20/8/2020)

A Polícia Civil de Sorocaba, por meio do Setor de Homicídios da Delegacia Especial de Investigações Criminais (Deic), esclareceu uma morte registrada na Vila Douglas Lara, zona norte da cidade. O corpo da vítima, um homem de 58 anos, foi encontrado carbonizado, no dia 16 de setembro.

Segundo a delegada Luciane Bachir, da Deic, os autores do crime são um homem e uma mulher, ambos de 39 anos. Eles são moradores de rua e usuários de drogas. O casal confessou o assassinato.

Ainda conforme a delegada, os acusados e a vítima moravam no mesmo terreno. O homem havia alugado dois cômodos em sua propriedade para os suspeitos.

Durante o período de convivência, ele teria praticado atos desrespeitosos contra a mulher, como assédio sexual. O casal alegou que esta foi a motivação do homicídio, informa a delegada.

De acordo com eles, no dia do crime, houve uma briga entre os três. A vítima morreu em decorrência das agressões. Na sequência, os acusados colocaram o corpo em um carrinho de reciclagem, o levaram até um terreno baldio e atearam fogo.

Investigações

As investigações duraram quase um mês. A polícia identificou os autores por meio de imagens de câmeras de segurança. Há equipamentos instalados nas proximidades do local onde o corpo foi achado. Nos registros, conta Luciane, é possível ver o momento em que o casal passa em frente ao terreno. Logo em seguida, chamas surgem na área. “Foi difícil encontrá-los, porque, depois do crime, eles deixaram a casa e ficaram vagando pelas ruas”, diz a delegada.

Eles foram indiciados e tiveram a prisão temporária decretada nesta quarta-feira (14). Agora, a Polícia Civil vai concluir o inquérito.

Passagens policiais

A vítima já havia cumprido pena por crime contra a dignidade sexual. Os indiciados também tinham passagens policiais. (Da Redação) 

Comentários