Buscar no Cruzeiro

Buscar

Pizzaria de Sorocaba cria pizza Brumadinho para doar renda às vítimas

27 de Janeiro de 2019 às 23:08

Diego Seorra, gerente da pizzaria, com a pizza Brumadinho. Crédito da foto: Cortesia

Uma pizzaria de Sorocaba resolveu criar a pizza Brumadinho para ajudar as vítimas do rompimento de uma barragem na cidade mineira. Segundo o proprietário do estabelecimento, Carlos Toledo Laino, todo o valor arrecadado com a comercialização do produto será revertido aos sobreviventes.

A venda da pizza teve início neste domingo (27), às 18h30, pelo valor de R$ 30. Ela é recheada com queijo minas padrão, muçarela, tomate cereja e bacon.

De acordo com Diego Seorra, gerente da pizzaria, até as 22h foram vendidas aproximadamente 40 pizzas Brumadinho. A iniciativa, segundo ele, seria limitada somente para este domingo.

A ideia de ajudar as vítimas de Brumadinho com a criação de uma pizza mexeu com as mídias sociais. A postagem no Instagram referente ao tema recebeu mais de 250 curtidas no período de 5h e diversos elogios dos seguidores.

O caso

Na sexta-feira (25), o rompimento da barragem 1 da Mina Feijão, da mineradora Vale, devastou uma parte da cidade de Brumadinho. Até a noite de domingo (27), a Defesa Civil do município confirmou pelo menos 58 pessoas mortas e 305 pessoas desaparecidas.

Também neste domingo (27), a Justiça de Minas Gerais decretou novo bloqueio de recursos da Vale. Desta vez, o montante servirá para reparação de danos às vítimas da tragédia ocorrida na sexta-feira (25).

[irp posts="70003" ]

 

No total, os bloqueios judiciais já somam R$ 11 bilhões, quantia que representa 48% do caixa da empresa, de acordo coma consultoria Necton. Para segunda-feira (28), a expectativa é de um pregão na bolsa turbulento para a mineradora.

Se o número de funcionários mortos da Vale ultrapassar 69, o Brasil estará diante do maior acidente de trabalho da história do País, afirmou o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury. O recorde atual é de uma ação decorrente da morte de trabalhadores durante o desabamento de um pavilhão em Belo Horizonte, em 1971. (Da Redação, com informações do Estadão Conteúdo)