Sorocaba e Região

Obras de pontos turísticos estão paradas na região de Sorocaba

Trem Republicado, entre Salto e Itu, não saiu do papel; Sorocaba, Votorantim e Araçoiaba também têm problemas
Obras turísticas estão paradas na região
Em Salto, estação está restaurada, mas permanece fechada. Crédito da foto: Emidio Marques

Espaços que seriam para atrair turistas para a Região Metropolitana de Sorocaba (RMS) e estampar cartões postais são hoje o retrato do abandono, do atraso e do não cumprimento de prazos. Obras paradas, atrasadas ou aparentemente abandonadas podem ser encontradas em Sorocaba, Itu, Salto, Araçoiaba e Votorantim . A situação foi constatada pelo Cruzeiro do Sul que foi até essas cidades e encontrou locais que seriam atrativos turísticos nessas condições.

Um exemplo disso é a implantação do Trem Republicano, que vai ligar Itu a Salto. O projeto chegou a sair do papel, mas não foi entregue no prazo previsto. Em Salto, as obras, orçadas em R$ 3.757. 972, 29, começaram em outubro de 2015 e deveriam ter sido concluídas em 3 de julho de 2018. No entanto, mais de um ano após a data estabelecida, os trabalhos no local ainda estão em andamento.

Estação restaurada

Em Salto, a estação foi restaurada e conta até mesmo com plataformas de embarque. Porém, a parada do trem está fechada. Enquanto o local não é inaugurado, o mato cresce ao redor e as pichações tomam conta das paredes. Os únicos ocupantes da estação são os moradores de rua. Além desse problema, trechos da ferrovia estão sem trilhos.

Leia mais  Construção do prédio da Casa do Turista está parada em Sorocaba

 

No momento, os serviços na ferrovia não estão parados. A empresa responsável pela obra está construindo o girador, que já deveria ter sido entregue em dezembro do ano passado. Segundo o supervisor da obra, Nivaldo Polidoro, essa etapa deve ser finalizada em 30 dias.

Obras turísticas estão paradas na região
Augusto: dinheiro jogado fora. Crédito da foto: Emidio Marques

A obra gera indignação entre os moradores de Salto. O operador Augusto Gloor, 49 anos, considera que o dinheiro destinado ao projeto poderia ser investido em outras áreas, como saúde e educação. “Para mim, isso é dinheiro jogado fora”, opina sobre a restauração da ferrovia.

Leia mais  Em Votorantim, Cachoeira da Chave permanece abandonada após obras

 

Em nota, a Prefeitura de Salto alega que a obra não foi entregue no prazo inicial porque é “extremamente complexa do ponto de vista técnico”. Além disso, complementa a nota, diversos percalços surgiram no decorrer dos trabalhos. “Por se tratar de uma grande construção do aspecto financeiro, o município enfrenta dificuldades com relação aos repasses de recursos estaduais e federais”.

Leia mais  Moradores reclamam de abandono no entorno do lago de Araçoiaba da Serra

 

Conforme a Prefeitura, o projeto também conta com um aporte municipal. “Até o momento, Salto aportou cerca de R$ 430 mil de contrapartida”, informa a nota. Até agora, acrescenta o texto, cerca de R$ 6,5 milhões foram investidos nos trabalhos(considerando os trechos de Itu e Salto). O custo total de implantação da ferrovia (nas duas cidades) é de aproximadamente R$ 13,6 milhões.

Obras turísticas estão paradas na região
Apenas placa indica obra em Itu. Crédito da foto: Emidio Marques

Itu

Enquanto em Salto há até uma estação teoricamente finalizada, Itu, por sua vez, sequer começou a ser restaurar o prédio situado na cidade. O único sinal indicativo das obras é uma placa instalada no muro do local. Com investimento de R$ 2.562. 029,79, os trabalhos na cidade começaram em 2011 e, pelo prazo inicial, deveriam ter sido concluídos em 730 dias. No entanto, os serviços não foram terminados até hoje.

A estação está completamente abandonada e deteriorada. Assim como no município vizinho, a única pessoa presente no local é um morador de rua. Todos os dias, a costureira Geni Rodrigues, espera o ônibus em um ponto situado em frente ao prédio. Ela conta que nunca observou qualquer tipo de movimentação na estação e que o único indício de obras ali é, realmente, a placa.

Obras turísticas estão paradas na região
Maior atraso ocorre em Itu, onde nem o prédio foi reformado. Crédito da foto: Emidio Marques

Segundo Geni, a inauguração do trem poderia beneficiar o comércio de Itu. Isso porque, acredita, a ferrovia atrairia mais turistas para a cidade. No entanto, completa, no estado em que se encontra, o projeto apenas prejudica o município, pois o dinheiro destinado aos serviços poderia ser investido, principalmente, na saúde. ‘É dinheiro perdido’, enfatiza ela.

Questionada sobre o atraso no andamento dos trabalhos, a Prefeitura de Itu se ateve a dizer que “pretende concluir sua parcela no Trem Republicano o mais breve possível”. (Vinícius Camargo – Programa de estágio / Supervisão: Rosimeire Silva)

Comentários

CLASSICRUZEIRO