Sorocaba e Região

Nova diretoria do Gabinete de Leitura Sorocabano será empossada no dia 9

Acompanhado por outros diretores, o novo presidente João Brotas visitou o Cruzeiro do Sul
O presidente do Gabinete de Leitura Sorocabano, João Brotas. Crédito da foto: Divulgação

A nova diretoria do Gabinete de Leitura Sorocabano para o biênio 2019/2020 será empossada no próximo dia 9, às 19h, tendo como presidente o escritor sorocabano João Brotas, e como vice, Laor Rodrigues, ex-presidente da Fundação Ubaldino do Amaral (FUA). Acompanhado por outros diretores, Brotas visitou o Cruzeiro do Sul, sendo recebido por Laelso Rodrigues, membro do Conselho de Administração da FUA, e Luiz Antonio Zamuner, membro do Conselho Editorial do jornal.

Entre os planos de Brotas está aumentar o quadro de associados, instalar ar-condicionado no salão nobre do Gabinete e realizar diversas atividades culturais e literárias que façam jus à história da associação, fundado no dia 13 de janeiro de 1867, por iniciativa de húngaros e alemães, aqui radicados, e sorocabanos. “É uma honra conduzir essa instituição e queremos, todos unidos, mostrar a marca dessa instituição na história do município”, afirmou o novo presidente.

Laor Rodrigues lembrou que já ocupou o cargo de vice-presidente na gestão do ex-presidente João Oliveira Verlangieri. “O Gabinete é a mais importante instituição cultural da cidade que preserva o maior acervo histórico de toda a nossa região”. Laelso Rodrigues afirmou que “o Gabinete nos deixa orgulhosos de sermos sorocabanos porque é um dos poucos Gabinetes de Leitura que está funcionando no Brasil”.

A nova diretoria está assim composta: Presidente, João Brotas; Vice-presidente, Laor Rodrigues; diretor de Patrimônio, José Rodrigues Abreu; 1º secretário, José Ademar Rodrigues; 2º secretário, Francisco Carlos Damião; 1º tesoureiro, Antonio Carlos Rubinato; 2º tesoureiro, Aparício Tarcitiani; diretor Cultural, Ivani de Carvalho e diretor Social, Silvio César de Goés Menino. Conselho fiscal: Luciano Vianna de Carvalho, Mário Sérgio Bueno de Miranda e Olavo Zanetti.

Comentários

CLASSICRUZEIRO