Buscar no Cruzeiro

Buscar

Obras

Reforma da UBS do Jardim Rodrigo começa na próxima semana

A unidade conta com nove consultórios e vinha atendendo mais de 47 mil pacientes cadastrados

26 de Maio de 2021 às 17:58
Da Redação [email protected]
Prefeito, vereador e representantes da Schaeffler realizaram vistoria no local
Prefeito, vereador e representantes da Schaeffler realizaram vistoria no local (Crédito: Cortesia)

Desativada pela Defesa Civil desde janeiro, a Unidade Básica de Saúde (UBS) do Jardim Rodrigo terá o início das reformas no dia 4 de junho, com previsão de conclusão em até 60 dias, segundo a prefeitura de Sorocaba. A unidade, que depende da obra para ser reativada, conta com nove consultórios e vinha atendendo mais de 47 mil pacientes cadastrados.

As obras se darão através de uma Parceria Público-Privada do Poder Executivo com o Grupo Schaeffler, anunciada pelo vereador Rodrigo do Treviso, após vistoria da área, no dia 19 de abril, acompanhada de representantes da metalúrgica alemã, instalada na cidade.

Os reparos necessários na UBS são reposição completa da instalação elétrica, reparos no telhado e troca de pisos na área central. “Trabalhamos há meses pelo funcionamento da UBS e enxergamos nessa PPP uma grande conquista, mas vitória da população só quando pacientes forem atendidos no local” garante o vereador Rodrigo do Treviso, líder comunitário da região.

De acordo com a prefeitura, no decorrer da reforma, a Guarda Civil Municipal (GCM) intensificará o patrulhamento durante o dia e terá um posto fixo no local, à noite, protegendo a unidade 24 horas. O reforço visa preservar a segurança do próprio público e resguardar os materiais que serão utilizados nos reparos.

Interdição da UBS

A UBS do Jardim Rodrigo foi interditada no dia 11 de janeiro, junto com a CEI 117 que funcionava no prédio da antiga Oficina do Saber. As duas ficam em um mesmo terreno no Jardim Rodrigo e foram construídas no local de um antigo aterro sanitário.

De acordo com a Defesa Civil, a área foi comprometida na gestão passada, pela parcial inoperância dos equipamentos e componentes que fazem parte do sistema de captação de gases instalado no terreno, havendo risco de explosão.

Os laudos das últimas medições periódicas apontam que as medidas adotadas no combate aos gases foram eficazes e o prédio já é seguro para servir à saúde da população.