Sorocaba e Região

Mulheres falam sobre empoderamento feminino durante evento em Sorocaba

Mercado de trabalho, maternidade, jornada dupla e situações de assédio foram temas tratados na reunião de empresas
Todas as apresentações foram feitas por mulheres. Crédito da foto: Divulgação/ Facens (06/03/20)

“Empoderamento feminino é quando qualquer mulher tem o seu espaço de fala respeitado; É quando ela gere a vida como quer, seja ficando em casa para cuidar dos filhos, trilhando uma carreira profissional de sucesso, ou ambos”, definiu a consultora da Organização das Nações Unidas (ONU) Mulheres, Maristella Iannuzzi, durante o Painel de Empoderamento Feminino, realizado na Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens) na manhã desta sexta-feira (6).

Além da Facens, as empresas Clarios, Apex Tool, Emerson e Flextronics integram a realização do evento e executivas de todas elas participaram dos debates. Regiane Relva Romano, que é assessora especial do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC) e Elizabeth de Faria, chefe de gabinete do Hospital das Clínicas, integraram a mesa e falaram sobre os processos de seleção e ascensão de mulheres no mercado de trabalho, assédio e maternidade.

A jornalista Dani Sampaio foi a responsável por intermediar todos os debates e a primeira rodada contou com a participação de profissionais de Recursos Humanos das empresas participantes. “A necessidade de um Comitê de Diversidade surgiu de forma local, com os próprios funcionários. É um trabalho de mudança cultural e nós, da Apex, levamos isso para o global, mostrando sempre que incluir mulheres, negros, LGBTTs e todas as minorias, reflete positivamente nos negócios”, explicou Natália Tamaio, especialista de RH e líder do Comitê da Apex.

Leia mais  “Doa Sorocaba” pede ajuda para famílias carentes da zona norte

Para Josiane Ferraz, analista de RH da Clarios, o maior desafio enfrentado pelas mulheres dentro das organizações é ter o lugar de fala respeitado. “Ser ouvida é difícil! Muitas vezes nós levamos uma informação para um líder homem e ele vai confirmar o que eu falei com outro homem”, afirmou. Nessa etapa também participaram Raquel Barros, psicóloga e coordenadora do Departamento Socio-emocional da Facens; Vanessa Miranda, do RH da Emerson e Cintia Garcia, gerente de RH da Flex.

A segunda rodada foi composta por Luceila Meira, que atua como Controller LATAM na Apex; Elaine Alves de Souza, supervisora de produção Power Frame da Clarios; Luciane Keller Coutinho, gerente regional de contas da Emerson; Juliana Santos, gerente de projetos da Flex), além de Regiane e Elizabeth.

Maternidade

“Eu sinto hoje que já fui muito injusta com outras mulheres quando elas precisaram faltar porque o filho está doente, ou precisaram sair mais cedo e eu só tive essa percepção quando me tornei mãe. Hoje penso que uma mãe ocupando um cargo de liderança sempre é positivo, pois a empatia dela para com as outras é muito maior”, contou Elizabeth, que recorda que antes do nascimento do filho, hoje com dois anos, o fato de ser mulher pouco atrapalhou na carreira médica.

Para Luceila, o ambiente majoritariamente masculino nas grandes empresas já resultou em episódios de “assédio velado”, como classifica. “Principalmente quando você está em um momento mais descontraído, como em um happy hour e quando eu era mais nova, me recordo de pelo menos três situações bem desagradáveis e imediatamente eu consegui me impor, mas infelizmente não é toda mulher que tem essa reação”, destacou.

Leia mais  Secretaria da Saúde detalha testagem da população para Covid-19 em Sorocaba

Já para Regiane, que trabalha desde o 14 anos e aos 16 iniciou no curso superior, o assédio sexual aconteceu de forma mais agressiva. “Minha família era muito simples, minha mãe estava enfrentando um câncer e além de estudar eu tinha dois empregos. Nos dois os meus superiores me julgaram frágil demais e me assediaram, oferecendo dinheiro, inclusive. Em um deles eu bati e para o outro eu chamei a polícia. Logicamente eu perdi os dois empregos, mas não permiti que me tirassem a dignidade e a coragem se seguir em busca de uma carreira sólida”, afirma a também professora.

Desigualdades

O evento foi encerrado por Maristela, que destacou a desigualdade ainda muito forte no mercado de trabalho. Representante da ONU, ela destacou que a igualdade de gênero poderia adicionar US$ 12 trilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) mundial. “Existe um pacto feito com a ONU para que até 2030 os cargos de liderança sejam ocupados em 50% por mulheres, mas no ritmo atual, que já é muito melhor se comparada há poucos anos, levaremos 200 anos para que exista essa igualdade entre os gêneros”, afirmou.

Leia mais  Respiradores para Ibiúna

Maristela destacou que as mulheres enfrentam jornadas duplas e até triplas, levando-se em conta os afazeres domésticos e o cuidado com os filhos e muitas tendem a se cobrar demais. “Eu quero lembrar quem nenhuma mulher conseguirá ser a melhor esposa, a melhor mãe, a melhor profissional, a melhor filha, a melhor amiga e tudo que se espera de nós, ao mesmo tempo. Não carreguem todas essas obrigações sozinhas”, aconselhou a representante da ONU Mulheres, recebendo aplausos da plateia.

Com 220 inscritos, o evento teve uma entrada social, solicitando a doação de um quilo de alimento não perecível. Todos os itens arrecadados foram encaminhados ao Centro de Integração da Mulher (CIM Mulher). O programa oferece apoio, orientação e acolhimento a famílias vítimas de agressões.

Comentários