Sorocaba e Região

Ministério Público recebe representação contra IPTU complementar

Pedido de intervenção ao órgão partiu do vereador Vitão do Cachorrão (MDB), para quem a cobrança é abusiva
IPTU complementar é emitido para mais 45 mil contribuintes em Sorocaba
Vista aérea de Sorocaba. Crédito da foto: Erick Pinheiro (17/7/2018)

O Ministério Público do Estado de São Paulo, por meio da Promotoria de Sorocaba, recebeu nesta segunda-feira (9) uma representação contra o IPTU complementar. O pedido de intervenção ao órgão foi feito pelo vereador Vitão do Cachorrão (MDB).

Leia mais  Cerca de 50 mil donos de imóveis vão pagar IPTU complementar em Sorocaba

 

No documento, cujo o assunto é “IPTU abusivo”, o parlamentar diz que o ato da cobrança deve ser suspenso imediatamente. A representação ainda cita que alguns casos o IPTU complementar trouxe a cobrança 500% acima do primeiro carnê recebido no início do ano. O documento ainda afirma que o problema não é localizado e ocorre na maior parte dos bairros de Sorocaba.

O vereador ressalta no documento que muitas das cobranças estão sendo feitas em bairros carentes de Sorocaba. Durante a sessão ordinária desta terça-feira (10), ele citou em que alguns casos, o local sequer tem rede de esgoto.

Ainda durante a sessão. o parlamentar citou um caso onde o proprietário de um terreno, que estaria sem qualquer edificação, recebeu o carnê do IPTU complementar. No carnê, a cobrança relacionada a construção de mais de 70 metros quadrados.

A Prefeitura de Sorocaba informou que ainda não foi oficializada acerca da representação protocolada pelo vereador junto ao Ministério Público.

Prefeitura responde

Questionada como os munícipes podem contestar os valores, a resposta veio da Secretaria da Fazenda (Sefaz). “O município informa que as contestações devem ser feitas na Casa do Cidadão, no andar térreo do Paço Municipal”, afirma a pasta, com uma recomendação.

“O prazo indicado para que isso ocorra é até o dia de vencimento do documento, que é uma referência para que o contribuinte continue a se beneficiar do desconto de 5%, caso ele não tenha a sua contestação deferida pela Prefeitura”.

A Sefaz, por fim, informou que a contestação pode acontecer mesmo após o vencimento do documento só que, nesse caso, o contribuinte deixará de ter acesso ao desconto. (Marcel Scinocca)

Comentários

CLASSICRUZEIRO