Sorocaba e Região

Luzes de Natal estão mais raras em Sorocaba

Poucos sorocabanos têm mantido a tradição de decorar a fachada com os enfeites natalinos
Luzes de Natal estão mais raras na cidade
Na rua Scipioni Landulfo, no Central Parque, poucas casas mantêm a tradição da decoração festiva. Crédito da foto: Fábio Rogério

As principais avenidas e ruas de Sorocaba, que antigamente ostentavam luzinhas de Natal, estão praticamente no escuro. Poucas são as residências e comércios que investiram em decoração natalina, tradição que vem se perdendo ao longo dos anos na cidade. Os motivos para esse “apagão” são os mais variados como questão financeira, correria do fim de ano, e também a falta de vontade.

No bairro Central Parque, a famosa rua Scipioni Landulfo, que durante anos costumava receber visitas das mais variadas localidades, tem uma ou outra casa decorada. Lá, os moradores que ainda continuam a tradição, sentem falta dos áureos tempos. Nem mesmo o concurso de iluminação natalina, proposto pelo padre Flávio Jorge Miguel Júnior, pároco-reitor do Santuário São Judas Tadeu, tem incentivado os moradores.

Entre as poucas casas da Scipioni Landulfo decoradas está a do casal Maria Antonia Seabra Costa e Ricardo Almeida Costa. Basta passar pela rua, que as luzes da residência já chamam a atenção, pois se projetam na árvore bem em frente e no asfalto, deixando a via com lindos desenhos de Natal. Maria Antonia afirma que não deixou de decorar a residência e tem conseguido manter a tradição ao longo dos anos. “Antigamente formavam filas de carro aqui na rua, todo mundo passava devagarinho para ficar olhando a decoração”, lembra, saudosa.

Luzes de Natal estão mais raras na cidade
Casas decoradas para o Natal chamam a atenção. Crédito da foto: Fábio Rogério

O idealizador da decoração naquela rua, Geraldo Soares, não fez nada este ano. “Estou com muito serviço, não estou com tempo”, disse. Na opinião dele, o pessoal foi parando de enfeitar as casas porque alguns mudaram, outros estão desempregados e há aqueles que estão preferindo enfeitar dentro das casas apenas.

A residência que mais ganhava nos concursos era a do sr. Benedito. Desde que faleceu, a filha Angelina de Almeida tem dado continuidade ao costume da família. Na decoração tem um pouco de tudo: presépio, rena, estrela cadente, Papai Noel e muitas luzes. Angelina lamenta que as pessoas tenham desistido de enfeitar as casas. “Era divino. Nossa rua enfeitada proporcionava alegria para as pessoas. A gente tenta resgatar, né.”

Luzes de Natal estão mais raras na cidade
Angelina faz questão de manter a tradição do pai. Crédito da foto: Fábio Rogério

Sua irmã, Ivone de Almeida Blusaferro, que mora na rua 1º de maio, ali perto, também continuou o hábito. Em sua casa, onde também funciona um comércio, o que chama a atenção não são apenas as luzes, mas o presépio, que herdou do pai. “Antigamente a cidade era mais enfeitada, as avenidas recebiam decoração. Não sei se parou porque as pessoas não têm dinheiro, não é tão caro, acho que falta entusiasmo mesmo.”

Este ano, a Prefeitura cancelou a decoração de Natal no Centro por falta de tempo hábil para a conclusão da montagem. O público tem visitado bastante o Céu Sagrado (av. Paulo Varchavtchik, 1.805, Alto da Boa Vista). São 4,5 milhões de luzes. A entrada é um quilo de alimento não perecível ou um litro de leite (por pessoa).

Luzes de Natal estão mais raras na cidade
Presépio e luzes iluminam a frente de comércio. Crédito da foto: Fábio Rogério

Concurso

Estão abertas até amanhã, dia 13, as inscrições para o concurso “Vamos iluminar o Central Parque e o Jardim São Marcos”, uma iniciativa do Santuário São Judas Tadeu em parceria com a Associação Comercial de Sorocaba. Os prêmios são uma TV de 39 polegadas, uma TV de 32 polegadas e um forno microondas, entre outros brindes. As inscrições devem ser feitas pelo WhatsApp (15) 98146-7182. (Daniela Jacinto)

Comentários