Sorocaba e Região

Investigação da PF em Sorocaba cumpre mandados em 4 estados e no DF

Polícia apura organização criminosa associada ao tráfico de entropecentes

A Polícia Federal cumpriu nesta quarta-feira (21), nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, um total de cinco mandados de prisão preventiva, nove de prisão temporária, 27 de busca e apreensão e oito de sequestro e bloqueio de bens, como parte de inquérito policial que tramita desde o ano passado na delegacia do órgão em Sorocaba. A investigação, segundo a PF, foi instaurada para apurar crimes de estelionato, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa com associação para o tráfico de entorpecentes. Também foram realizadas oitivas no Acre, Paraná, Rio de Janeiro e Distrito Federal. A operação foi denominada Nascostos.

De acordo com a PF, criminosos estavam se passando por um juiz federal e usavam documentos falsos de outras vítimas para clonar cartões e comprar passagens aéreas para terceiros em rotas não convencionais. O órgão informou que os crimes eram cometidos “em detrimento da imagem da Justiça Federal”. Acrescentou que, com as informações apuradas, foi possível apurar a existência de uma organização criminosa com bases em São Paulo, Campo Grande e Cuiabá, cuja atuação era tanto nacional quanto internacional.

“Há indícios de que tal organização possa estar coligada e/ou ser uma célula integrante de alguma das facções criminosas conhecidas do público em geral. Essa organização mediante procedimentos fraudulentos, também, alugava veículos e não os devolvia às locadoras, comprava passagens aéreas para pessoas cooptadas, fazia reserva de hotéis e realizava financiamentos”, citou a PF.

Ainda conforme a polícia, alguns dos beneficiários das passagens e locação de veículos foram presos por tráfico de drogas. Informou, também, que “vários membros dessa organização também respondem por crimes de homicídio.”

O nome dado à operação, explica a PF, significa “ocultos” no idioma italiano e faz alusão à atuação dos criminosos. A reportagem questionou o órgão a respeito da quantidade de mandados e prisões cumpridas em Sorocaba em relação ao número total e em quais regiões, se a organização criminosa atuava especificamente na cidade, e se existia uma estimativa do prejuízo causado pelos criminosos. Até o fechamento desta edição, porém, não houve retorno. (Da Redação)

Comentários