fbpx
Sorocaba e Região

Governo estadual quer planos de emergência para barragens paulistas

Secretário chefe da Casa Militar do Estado prevê envolvimento das Defesas Civis dos municípios
Os dados referentes a essas estruturas e respectivas localizações estão catalogados em dois órgãos federais. Foto: Assessoria do vereador Péricles Régis

O governo do Estado de São Paulo está atento à situação de todas as barragens do Estado e vai estimular todos os municípios paulistas, todas as Defesas Civis locais e os órgãos de fiscalização, para que façam em espaço curto de tempo o preparo da população para uma “eventualidade” em termos de planos de emergência e segurança.

Quem fez este esclarecimento foi o coronel Walter Nyakas Junior, secretário chefe da Casa Militar e coordenador estadual da Defesa Civil no governo de São Paulo, durante entrevista concedida na quarta-feira (30) à rádio Cruzeiro FM 92,3. O coronel Walter reconheceu que “qualquer estrutura (no quesito das barragem) próxima a um município gera uma preocupação, tanto é que o Plano Nacional de Segurança de Barragens prevê que nessas situações essas localidades tenham os planos de ação emergencial”.

Os dados referentes a essas estruturas e respectivas localizações estão catalogados em dois órgãos federais: Agência Nacional de Águas (ANA), com cadastro de barragens de acúmulo de água, e Agência Nacional de Mineração, relativas às empresas do setor de minérios.

Coronel Walter Nyakas Junior falou à rádio Cruzeiro FM. Foto: Divulgação

O coronel Walter também disse que a questão da segurança requer o envolvimento da comunidade: “Não adianta a gente ter um plano de segurança interno aos órgãos de emergência. Esse plano tem que ser divulgado à população.”

Por conta dessa avaliação, ele informou que a Defesa Civil não é um órgão isolado. Ela é composta por um sistema que agrega órgãos federais, estaduais e municipais: “E o envolvimento com a comunidade é de suma importância.” Acrescentou que as ações de emergências têm que ser divulgadas à população, até para que ela saiba o que fazer numa situação dessa. “Não adianta a gente ficar com o plano de emergência no interior de uma barragem ou em uma Prefeitura se a população não tem esse conhecimento”, avaliou.

O coronel também informou que o governo de São Paulo enviou um grupo de bombeiros com equipamentos para trabalharem no auxílio à busca de desaparecidos na barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, rompida há uma semana. “A tropa não retorna enquanto não encerrar as operações”, disse. (Da Redação)

Comentários