fbpx
Sorocaba e Região

Garça que estava com lacre no bico é resgatada em Sorocaba

Equipe da Secretaria do Meio Ambiente, que trabalha no zoo de Sorocaba, conseguiu retirar o anel de plástico

 

Anel de plástico foi retirado. Crédito da foto: Divulgação/ Secom

*Atualizada às 18h34

Teve final feliz a retirada de um anel plástico que ficou preso ao bico de uma garça, no Parque Carlos Alberto de Souza, no Campolim, em Sorocaba. Depois de quase uma semana, uma equipe do Zoológico Municipal Quinzinho de Barros, com apoio do Corpo de Bombeiros, Polícia Ambiental e ONG Mata Ciliar, conseguiu capturá-la com uma rede na tarde desta sexta-feira (14), então, retirar o item que vinha dificultando a alimentação do animal. Logo em seguida, após passar por avaliação física que indicou que estava em boas condições, a ave foi solta.

De acordo com o médico veterinário do Zoo André Costa, a equipe vinha oferecendo peixes à garça desde cedo, para que ela ficasse mais próxima e ganhasse confiança. Por volta das 16h, os tratadores Jurandir Paulino, 51 e Eugenio Silva, 55, assumiram a função de heróis do dia e conseguiram alcançá-la com o auxílio de uma rede. “Herói só ele lá de cima”, disse Eugenio, modestamente. “Foi a experiência mais marcante em 32 anos trabalhando como tratador”, acrescentou o tímido Jurandir.

Na avaliação física feita por André Costa e pelo biólogo Marcos Tokuda, foi observado que a plumagem e as asas estão em condições adequadas — apenas o bico apresentava pequenas escoriações. “Mesmo com o anel preso, ela estava conseguindo comer peixes pequenos. Mas é claro que vinha dificultando a ingestão das energias diárias necessárias”, explicou Costa.

Confira o  vídeo do resgate:

‘É a notícia mais feliz’, diz ativista

Quem ficou bastante eufórica com o desfecho da história foi a pedagoga Carolina Barreto Garcia, de 24 anos. Com amigos, a jovem ficou intrigada ao perceber, no sábado passado, que a garça pegava peixes com o bico e os jogava. ‘Se a gente não tivesse visto, talvez o final não seria feliz‘, comentou ela, que diz ser uma amante de aves e tem uma calopsita de estimação.
Desde o fim de semana, Carolina estava indo ao parque todos os dias para acompanhar a rotina do animal. ‘É algo que comove a gente, mas agora posso dizer que é a notícia mais feliz da semana‘, afirmou.

Amigas de Carolina, as biólogas Daniele Moreno e Paula Marcelino também se empenharam diariamente na junção de esforços para resgatar a garça para livrá-la do lacre. Perguntadas sobre a força que as movia nessa disposição de salvar a ave, Paula respondeu: “É amor.” E Daniele acrescentou: “O maior exemplo que a gente pode dar é sendo o exemplo. Nós, como profissionais do meio ambiente, estamos tentando ser exemplos para a população em geral.”
Caroloine também disse que a garça é uma ave identificada com o problema do lacre no bico. “Imagine quantos casos devem ter por aí e a gente não tem conhecimento”, lamentou.

Campanha orienta descarte correto

A saga do “resgate” da garça serviu de inspiração para uma campanha da Secretaria de Meio Ambiente, Parques e Jardins (Sema). A pasta está alertando para o descarte de materiais que podem ocasionar problemas como o deste caso. “A vida de muitos animais está em risco. Aves e outros animais acabam confundindo esses e outros materiais plásticos com alimento e, infelizmente, acabam se prendendo ou até mesmo ingerindo, podendo até levar à morte”, informou a Sema em uma arte que está sendo divulgada nas redes sociais. “Corte o lacre antes de descartar. Descarte o material corretamente nas lixeiras”, avisou.

Comentários
Assuntos