Sorocaba e Região

Sorocaba: funcionário de loja confessa que filmava mulheres no provador

Segundo a delegada Verali Ferraz, o rapaz praticava o crime há um ano
Lei Maria da Penha completa 14 anos
O caso será investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Sorocaba. Crédito da foto: Fábio Rogério (6/8/2020)

O homem acusado de filmar a jovem Isabella Pacheco, de 19 anos, no provador de uma loja em um shopping de Sorocaba, gravava e fotografava mulheres há um ano. Segundo a delegada Veraly Ferraz, da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), o rapaz, de 19 anos, prestou depoimento na quarta-feira (9) e confessou os crimes.

No celular dele, além dos vídeos de Isabella, foram encontradas entre oito e dez imagens de outras vítimas, afirma Veraly. Até o momento, a polícia não sabe a identidade das demais mulheres.

Ainda conforme a delegada, o celular foi encaminhado para a perícia. Os peritos vão tentar recuperar os registros.

Inicialmente, a polícia não considera a hipótese de compartilhamento do material. Porém, somente o resultado do laudo poderá comprovar essa informação, diz Veraly.

O caso

Isabella contou ter ido a uma loja situada em um shopping da zona norte da cidade, na tarde de segunda-feira (7), feriado da Independência do Brasil. Ela estava acompanhada dos pais.

Leia mais  Votorantim confirma mais 59 casos de Covid-19

A família foi ao estabelecimento para pagar uma conta. Mas ela e a mãe também decidiram experimentar algumas peças.

Quando se dirigiam ao provador, um funcionário perguntou se elas gostariam de sacolas para guardar os itens. Na sequência, ele as acompanhou até as cabines.

Após experimentar a peça, quando já se vestia para sair do provador, Isabella ouviu um barulho e avistou um celular embaixo da porta. Inicialmente, pensou tratar-se do aparelho da mãe.

Porém, ao observar os detalhes, percebeu que não era. Nesse momento, tentou chutar o equipamento, mas alguém o puxou.

Rapidamente, ela saiu da cabine para averiguar a situação. Relatou o ocorrido ao pai. Ele informou ter visto o homem passar correndo pela loja.

A família contou o caso aos funcionários e pediu para chamarem o acusado. O gerente, informa ela, tentou abrandar a situação. Mas, após muita insistência, foi até a área restrita aos colaboradores e acionou o funcionário.

Leia mais  Homem é morto a tiros no bairro Campos Vileta em Iperó

Na galeria do celular dele, nada foi encontrado. No entanto, um cliente sugeriu a averiguação na nuvem do aparelho.

No armazenamento interno, foram encontrados vídeos de Isabella e de várias outras mulheres. “Me senti exposta e tive a minha privacidade invadida. Fiquei inconformada com a situação, porque eu acreditei estar segura dentro da loja”, pontua ela, indignada.

Depois dessa constatação, a família acionou a Polícia Militar. Os policiais orientaram Isabella a abrir boletim de ocorrência, mas não apreenderam o celular. Por esse motivo, o acusado conseguiu deletar definitivamente as imagens.

Investigação

O caso será investigado pela DDM. Além do resultado da perícia no aparelho, a polícia também vai ouvir os PMs que atenderam a ocorrência.

Posteriormente, as provas serão encaminhadas ao Ministério Público (MP), para a continuidade da investigação. A Justiça imputará a penalidade ao acusado. Ele deve ser autuado por crime contra a dignidade sexual. A pena é de um ano de prisão. O homem não tinha antecedentes criminais.

Leia mais  Voluntários da campanha de imunização podem ter prioridade de vacina contra Covid

Com a palavra, a loja Pernambucanas

A Pernambucanas lamenta profundamente o ocorrido e repudia com veemência todo e qualquer ato de desrespeito e de ofensa à privacidade. A pessoa citada já não faz mais parte do quadro de colaboradores da companhia.

A Pernambucanas é integralmente comprometida com a ética, integridade, diversidade e respeito a todos e está à inteira disposição das autoridades e da família para apoiar no que for necessário. (Da Redação) 

 

Comentários