Sorocaba e Região

Filhos usam criatividade para o presente neste Dia das Mães

Durante a pandemia, o comércio também buscou alternativas para atender os clientes
Muitos locais passaram a trabalhar com cestas para atender a demanda na quarentena. Crédito da foto: Cortesia

Durante a pandemia diversas tradições têm se transformado, dentre elas aniversários, chás de bebê e visitas à familiares. Neste domingo (10), se comemora o Dia das Mães, data que em que se costuma reunir família em um almoço e presentear as mulheres que desempenham esse papel de amor, mas este ano ela também será diferente. Com o comércio fechado e o isolamento social, que dificulta os encontros, muitas lojas e consumidores tiveram que se reinventar.

A auxiliar administrativa Nattaly Cristina resolveu presentear a mãe Katia de maneira artesanal e fez ela mesma uma cesta. Nattaly conta que todos os anos compra algo do agrado da mãe, mas que desta vez preferiu comprar espuma vinílica acetinada (EVA), chocolates e vinho, e caprichar no “faça você mesmo”. “Todo ano compro algo que ela queira, mas este ano os preços estão absurdos e ainda teria que pagar frete na compra, então fica complicado. Vamos passar o dia juntas, mesmo sem muito contato”, conta.

Já Bruna Oliveira, analista de sistemas, vai passar a data longe da mãe Maria e providenciou o presente pela internet, mas até sexta-feira (8) os produtos não haviam chegado e ela começava a se preocupar. “É complicado, pois a compra tem que ser pela internet e pode passar da data. Minha compra está para chegar até dia 11”, conta a analista, que escolheu um kit com perfume. “Não pude sentir a fragrância, mas pedi uma linha que já dei a ela”, afirma.

A auxiliar administrativa Nattaly Cristina resolveu presentear a mãe de maneira artesanal e fez ela mesma uma cesta. Crédito da foto: Cortesia

Bruna não vê a mãe desde março e por isso direcionou a entrega do presente direto para a casa da mulher, que, segundo ela, insistiu para ver a filha no domingo. “Ela queria muito nos ver, disse que preferia a gente do que o presente, mas eu expliquei que nesse momento o maior ato de amor é à distância”, explica.

Comércio busca alternativas

Maria Paula Jordão, responsável pela empresa Maria Paula Brigadeiro, trabalha há oito anos com doces e eventos. Segundo ela, quando o assunto é volume de vendas, o Dia das Mães perde somente para a Páscoa, mas este ano a demanda diminuiu em torno de 50%. “A pandemia nos atrapalhou demais, cancelando todos os nossos eventos e casamentos. Sobre o Dia das Mães, além de presentes, a maior venda que fazíamos era a de sobremesas para almoços e este ano não estamos tendo pedidos”, relata.

De acordo com a profissional, a saída foi partir para a entrega de cestas e presentes diferenciados, como caixas decoradas com brigadeiros. “Este ano eu tive que focar nas cestas, colocando pães, geleias e itens que eu não trabalho para conseguir vender. Quem está comprando pede para entregar, eu faço um cartão de acordo com o pedido e coloco junto. Os pagamentos também estão feitos por transferência, para evitar o contato do motoboy com máquina de cartão e etc.”, explica.

Maria Paula trabalha há oito anos com doces e eventos. Crédito da foto: Cortesia

Aline Floriano, proprietária da Lotus Boutique, loja física e online de roupas, também optou pelo atendimento delivery na hora de realizar as vendas. Ela conta que o retorno tem sido o esperado e que pretende continuar a adotar algumas medidas até mesmo depois da pandemia. “Desde que a loja foi inaugurada eu sempre tive a opção ‘disk entregas’ e para mim tem sido bom porque eu acredito que as clientes gostam dessa facilidade”, diz.

“Uma novidade que trouxe é o atendimento a domicílio, onde eu monto uma sacola e as deixo à vontade para provar. Eu espero no carro ou vou terminar minhas entregas e depois passo retirar. Tive um bom retorno das clientes e tenho certeza que vou aderir agora para a loja”, afirma a empresária que teve sucesso nas vendas deste ano. (Nicole Bonentti)

Comentários