Sorocaba e Região

Falta de remédio prejudica aposentado

De acordo com a esposa do paciente, essa não é a primeira vez que o remédio não é distribuído
Falta de remédio prejudica aposentado
Farmácia de Alto Custo do CHS não tem o medicamento. Crédito da foto: Cortesia

Falta de ar, cansaço e um mal estar frequente são os principais sintomas sentidos pelo aposentado Luiz Antonio da Fonseca, 63 anos. Ele sofre de fibrose pulmonar idiopática e está há mais de um mês sem o medicamento Esbriet, que estabiliza a doença e teria que ser fornecido pela Farmácia de Alto de Custo do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). A esposa dele, Rita Maria Zanon Fonseca, 56 anos, conta que eles conseguiram na Justiça o direito ao fornecimento gratuito do medicamento, que custa cerca de R$ 12 mil ao mês.

Rita conta que desde o início de novembro o fornecimento do medicamento está em atraso e de lá para cá liga diariamente na Farmácia de Alto Custo e, quando é atendida, recebe a informações de que o remédio não está no estoque e sequer há previsão de chegada. “É muito triste porque a gente teme que a doença vá progredindo e ninguém dá uma resposta concreta”, lamenta.

Leia mais  Bom Lugar reinaugura loja em Araçariguama

A doença que acomete Luiz Antonio não tem cura, mas somente com a ingestão das cápsulas do Esbriet é que a enfermidade pode ser estabilizada. Os pacientes que sofrem de fibrose pulmonar idiopática precisam ingerir três cápsulas desse medicamento três vezes ao dia e a caixa com 270 cápsulas é suficiente para um mês.

De acordo com a esposa do paciente, essa não é a primeira vez que o remédio não é distribuído. “Conseguimos a ordem judicial há pouco mais de dois anos, mas assim como agora, no final do ano passado também sofremos com a falta do remédio”, recorda Rita. Segundo ela, a família não tem condições financeiras de providenciar, com recursos próprios, a compra do medicamento.

A Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo foi questionada sobre quando o remédio será entregue ao aposentado. A reportagem do Cruzeiro do Sul também pediu explicações sobre os motivos da interrupção no fornecimento e também solicitou a informação sobre quantas pessoas na região precisam de remédio que deveria ser fornecido pela Farmácia de Alto Custo. A pasta, através de nota, informou apenas “que o medicamento Esbriet já foi adquirido, e foi solicitada ao fornecedor agilidade na entrega, que deve acontecer ainda neste mês”. Ainda conforme a secretaria, o paciente será informado tão logo isso ocorra. (Larissa Pessoa)

Comentários