Covid-19 Sorocaba e Região

Em uma semana, Escuta Acolhedora faz 80 atendimentos em Sorocaba

Programa oferece apoio emocional às pessoas afetadas pela pandemia do novo coronavírus
Atualmente o serviço conta com quatro ramais para atender a população. Crédito da foto: Fábio Rogério (11/5/2020)

Em uma semana de funcionamento, o Programa Escuta Acolhedora, lançado pela Prefeitura de Sorocaba para apoio emocional às pessoas afetadas pela pandemia do novo coronavírus, fez 80 atendimentos telefônicos. A informação é da Secretaria de Saúde (SES) do município, com dados levantados até a última terça-feira (19).

Destinado às pessoas com mais de 18 anos, as linhas telefônicas ficam livres entre 8h e 18h, de segunda a sexta-feira. O período da tarde, das 14h às 17h, entretanto, de acordo com a SES, é o mais requisitado por quem busca ajuda.

A pandemia afeta as pessoas de formas diferentes e entre as aflições e medos que levam os usuários a utilizar o Escuta Acolhedora, o luto, a solidão e as dificuldades econômicas são os principais fatores relatados nos atendimentos. Com ouvidos atentos, psicólogos e terapeutas ocupacionais se revezam para atender as chamadas feitas para o número 3238-2400.

Atualmente o serviço conta com quatro ramais para atender a população. O atendimento feito por especialistas tem uma duração média de 30 minutos por conta da necessidade do vínculo e abordagem, por tratar-se de uma assistência em saúde mental.

Por enquanto, segundo a SES, optou-se por ampliar os horários dos próprios profissionais que iniciaram o serviço (respeitando suas jornadas de trabalho), pois houve preparação e capacitação para esses atendimentos. “Ainda não há a necessidade de ampliação do quadro de profissionais, neste momento”, informou a pasta.

Questionada se o mesmo usuário pode ligar e ser atendido mais de uma vez, a pasta de Saúde informou que sim. “No entanto, não há garantia que seja com mesmo profissional, uma vez que existem escalas de trabalho e diferentes ramais desse telefone”. alertou. Já na busca ativa dos familiares de usuários que foram a óbito (confirmado ou suspeita) por Covid-19, a SES contou que são disponibilizados mais atendimentos, por meio de agendamento com a mesma profissional, de modo ao acolhimento das demandas desse luto.

Conforme a coordenadora de Saúde Mental, Eline Vitor, durante o contato telefônico é realizada a triagem para classificação entre munícipes da população geral, ou de profissionais da saúde. A escuta oferecida tem o foco na diminuição de danos psíquicos. “Esse atendimento se baseia em aspectos psicossociais em situações de pandemia, que possibilitam enfrentar o desafio de atender um número maior de pessoas, no momento de suas necessidades, auxiliando-as a lidar melhor com seus recursos e limites”, destaca Eline.

Comentários