Esporte Sorocaba e Região

Edison teria decidido matar jogador após ver mensagem

A mulher de Edison, Cristiana, levou o próprio celular para a assistência técnica no dia 31 de outubro
Edison teria decidido matar jogador após ver mensagem
Casal levou celular para a assistência técnica quatro dias após o crime. Crédito da foto: Reprodução

Em seu depoimento à polícia, David Willian da Silva, um dos suspeitos de envolvimento na morte de Daniel Freitas em São José dos Pinhais, no Paraná, declarou que o empresário Edison Brittes Júnior disse que mataria o jogador após ver algo em um telefone celular. Edison teria falado isso quando ele, David e mais duas outras pessoas estavam no carro, com Daniel no porta-malas. O teor do depoimento de David, feito na sexta-feira, foi divulgado ontem pelo telejornal Meio-Dia, da RPC TV e também pelo site de notícias Bem Paraná.

“Tudo estava tranquilo dentro do carro, na intenção de deixar Daniel no meio da rua, para passar vergonha, e que Edison trazia consigo um celular, que não sabe se era dele ou não, e que Edson estava normal e que, ao ver algo no aparelho celular, ficou descontrolado e disse que mataria Daniel”, diz um trecho do interrogatório. David disse que não desceu do carro quando Edison matou Daniel com uma faca.

Leia mais  Votorantim vacina pessoas entre 80 e 84 anos contra Covid na segunda-feira

A mulher de Edison, Cristiana, levou o próprio celular para a assistência técnica no dia 31 de outubro. Daniel foi morto no dia 27. O dono da oficina eletrônica disse que o defeito seria no microfone e áudio. O celular foi deixado por Cristiana e ele decidiu levar à polícia após saber da repercussão do crime. O aparelho passa por perícia. O celular de Daniel teria sido destruído por Edison. Uma imagem da câmera de segurança da loja mostra o casal.

Edison Brittes, a esposa, a filha, David e mais dois suspeitos, que estavam no carro, estão presos. Daniel era ex-meia do Coritiba e São Paulo e ultimamente jogava no São Bento, de Sorocaba.

Comentários