Sorocaba e Região

Diretor do Procon Sorocaba quer regionalizar atendimento

A ideia da regionalização é para que o Procon Sorocaba possa dar suporte aos demais, tanto em treinamento aos servidores como auxílio à fiscalização
Diretor do Procon Sorocaba que regionalizar atendimento
Laerte Molleta quer levar serviço para toda a Região Metropolitana de Sorocaba. Crédito da foto: Erick Pinheiro

Em visita realizada nesta quarta-feira (17) ao jornal Cruzeiro do Sul, o diretor do Procon Sorocaba, Laerte Molleta, falou da intenção em regionalizar o atendimento com os municípios da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), por meio de um Termo de Cooperação Técnica.

Ele falou também da inauguração, em nível nacional, pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em parceria com as empresas de telecomunicações brasileiras, do serviço “Não Me Perturbe”, pelo qual o consumidor pode bloquear ligações de telemarketing com ofertas e produtos relacionados a empresas de telecomunicações. Segundo Molleta, o serviço já era disponibilizado pela Fundação Procon São Paulo.

Laerte Molleta explicou que a ideia da regionalização é para que o Procon Sorocaba possa dar suporte aos demais, tanto em treinamento aos servidores, como auxílio à fiscalização. Para isso, as cidades que possuem o órgão terão de municipalizá-los e os que não têm precisarão implantar unidades do Procon. Até o momento, já foram iniciadas conversas com as cidades Piedade, Salto de Pirapora, Pilar do Sul e Araçoiaba da Serra que é a única entre essas a ter Procon.

Leia mais  Carros colidem no km 105 da Raposo Tavares, em Sorocaba

Em relação ao “Não Me Perturbe”, que agora tem abrangência nacional, Laerte Molleta explicou que tal serviço já é prestado pela Fundação Procon São Paulo por meio do link “Bloqueio ao Telemarketing”, que inclusive expõe o ranking das empresas que mais perturbam. E embora não disponha de dados locais, ele disse que é feito monitoramento de todas as empresas por 90 dias, sendo multada aquela que não se adequar e continuar agindo ilegalmente, e citou que “a grande arma é a fiscalização”. O serviço nacional contou com grande receptividade da população, sendo que, segundo ele, 1,5 milhão de pessoas já teriam se cadastrado. (Adriane Mendes)

Comentários

CLASSICRUZEIRO