Buscar no Cruzeiro

Buscar

Dia Mundial da Água: Fábrica em Sorocaba economiza 40 milhões de litros

22 de Março de 2019 às 08:01
Ana Claudia Martins [email protected]

Água: Fábrica economiza 40 milhões de litros Água usada na lavagem de embalagens novas é reutilizada - Foto: Erick Pinheiro

Com uma série de ações para reduzir o consumo de água na fábrica da Sorocaba Refrescos, a unidade já conseguiu reduzir em 20% o volume necessário para produção de um litro de bebida. Como a produção de bebidas utiliza mais de 80% de água potável, nos últimos 10 anos a Sorocaba Refrescos investiu na modernização das linhas de produção para aproveitamento de água.

Entre as principais ações estão a redução de enxágue na lavadora de embalagem retornável e reuso dos descartes nas estações de tratamento de água. Com isso, a fábrica teve uma redução de mais de 40 milhões de litros de água por ano na área industrial e de 2,5 milhões nas mangueiras. As medidas adotadas na Sorocaba Refrescos para reduzir o consumo de água na linha de produção gera uma diminuição nos gastos com água de R$ 30 mil por mês e de R$ 360 mil por ano.

[irp posts="89203" ]

 

Além disso, na fábrica ainda são adotadas outras ações para a redução do consumo de água como redução dos diâmetros das mangueiras, gatilhos e esguichos para aumentar a pressão e reduzir o volume de água, instalação setorizada de hidrômetros para monitoramento, identificação de desperdícios e informações aos setores responsáveis, recuperação de água de chuva para lavagens de autos e pisos externos, reutilização de água nobre utilizada para sanitização de embalagens novas (latas e garrafas pet), que seguirão para o enchimento e recuperação de água de selos de bombas. A fábrica conta ainda com dois poços artesianos. A Sorocaba Refrescos é um dos nove grupos fabricantes do Sistema Coca-Cola Brasil.

Nos últimos 17 anos, as nove fábricas reduziram em 35% o volume necessário para produzir um litro de bebida. Índice superior a países como Japão e Estados Unidos, e comparável ao Canadá e países do oeste da Europa. A meta era atingir 1,68 litros de água para cada litro de bebida produzida até 2020, mas em 2017 tal meta foi superada e hoje o índice é de 1,64 litros.

Estação de tratamento evita desperdícios

Em Votorantim, uma empresa de confecções chamada Emphasis, que produz 450 mil peças de calças jeans por mês, possui uma estação de tratamento de água na fábrica para evitar o desperdício na lavanderia após a lavagem das peças. No ano passado, a empresa gastou 163 milhões de litros de água na fabricação das peças, mas 70% desse total é de água de reúso, por meio da estação de tratamento. Segundo o diretor da lavanderia, Felipe Cavaliunas Ferreira, a legislação exige que a fábrica faça o tratamento da água que descarta, por conta da quantidade de produtos químicos e corantes utilizados no processo de fabricação das peças. “Conseguimos reutilizar uma boa parte da água na linha de produção”, diz.

A empresa investiu cerca de R$ 2 milhões no ano passado para substituir os equipamentos da estação de tratamento de água, mas não informou quanto por ano representa a economia financeira. “São usados entre 25 a 30 mil litros de água por hora na lavanderia, sendo que desse total 17 a 18 mil são de água de reúso”, afirma Felipe.

Hospital e diálise

Água: Fábrica economiza 40 milhões de litros Na Unimed, a água da diálise é tratada e reutilizada - Foto: Emidio Marques

O Hospital Dr. Miguel Soeiro da Unimed Sorocaba consegue economizar cerca de 2,6 milhões de litros de água por ano no setor de hemodiálise, diz o coordenador de engenharia hospitalar, Fábio Henrique da Silva. Cerca de 95% da solução que faz a limpeza do sangue do paciente com doenças renais é constituída de água. O processo gera cerca de 32% de rejeito, o que equivale a 11 mil litros de água, rica em minerais.

O hospital também faz uso da água de chuva. São captados 36 mil de litros por ano, água que é usada na limpeza de ambientes externos e jardinagem. Fábio revela que por conta dessas iniciativas o hospital tem certificação internacional e o selo diamante.

Investimento para reúso foi de R$ 2 mil

Há quatro anos, o síndico do condomínio residencial Parque das Mangueiras, no bairro Nova Manchester, em Sorocaba, investiu cerca de R$ 2 mil reais em equipamentos para fazer o reúso da água da chuva. A água é captada por meio de calhas instaladas no telhado do salão de festas do residencial e é armazenada em uma caixa d’àgua com capacidade para 5 mil litros de água. A água de reúso da chuva é usada para fazer a limpeza do próprio salão de festas e em todas as áreas comuns aos moradores do residencial, que possui seis blocos e 192 apartamentos.

Segundo o síndico, Kumio Sakaguti, o condomínio gasta por mês cerca de R$ 7 a 8 mil com a conta de água. Ele acredita que com o reúso da água da chuva a economia seja de mil reais mensais, o que representa R$ 12 mil por ano. “Investimos em uma caixa d’água, um motor e outros equipamentos simples para captar água da chuva e lavamos todas as áreas externas dos blocos, economizando água e pagando menos na conta”, afirma.