Covid-19 Sorocaba e Região

Com academias fechadas, parques de Sorocaba registram movimento

Infectologista diz que exercícios ao ar livre não são proibidos, mas é preciso evitar aglomeração
Pessoas ficam bem próximas umas das outras durante caminhada no parque Carlos Alberto de Souza, no Campolim. Crédito da foto: Fábio Rogério (4/4/2020)

Que o exercício físico é primordial, junto com uma alimentação balanceada, para fortalecer o sistema imunológico e manter a saúde em dia, já se sabe. Mas, com a pandemia do novo coronavírus e as academias fechadas, estabelecer uma rotina de treinos parece estar sendo o desafio de moradores da região. Ao optarem por parques ou praças das cidades para colocar o corpo em movimento, muitos podem estar colocando a si mesmos e outros em risco.

Em uma rede social, uma usuária publicou a uma foto de pessoas caminhando próximas umas das outras e desabafou sobre a presença da “multidão” na praça Lecy de Campos, em Votorantim (Região Metropolitana de Sorocaba). “Praça de eventos lotada. Cadê o bom senso?”, cobra a autora do post, que chegou a mais de 700 compartilhamentos.

Crédito da foto: Reprodução/ Facebook

A reportagem do Cruzeiro do Sul esteve na praça citada na publicação, assim como no Parque Carlos Alberto de Souza, no Campolim, em Sorocaba, e observou moradores se exercitando no espaço, mas as cenas que realmente chamaram a atenção foram de pessoas reunidas conversando, praticando esportes coletivos.

Mas, afinal, praticar atividades físicas ou mesmo frequentar espaços abertos durante uma pandemia pode significar um risco? A infectologista especialista em saúde pública Rosana Maria Paiva dos Anjos acredita que não, desde que os devidos cuidados sejam tomados. “Corridas e caminhadas ao ar livre podem ser feitas, desde que não haja contato e se mantenha distância de outras pessoas. O importante é o distanciamento social, então deve-se manter, no mínimo, dois metros de distância uma pessoa da outra, para não se expor a gotículas e secreções contaminadas”, orienta a especialista.

É necessário manter no mínimo dois metros de distância entre uma pessoa e outra. Crédito da foto: Fábio Rogério (4/4/2020)

A médica docente da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde (PUC-SP) salienta que, caso seja percebida no local uma quantidade de pessoas suficiente para se configurar uma aglomeração, não deve-se prosseguir com o treino. Mas, se o espaço permitir, é importante realizar o percurso sem que se comprimente conhecidos utilizando as mãos, ou se aproximando demais. “Brinque com a situação, afinal hoje todo mundo entende que não deve ter aproximação”, diz.

Outros cuidados como não encostar em bancos, árvores ou outras superfícies; conversar apenas utilizando máscaras ou lenços de papel na altura do nariz; e não sair de casa caso qualquer um dos sintomas esteja presente também são citados por Rosana, que finaliza lembrando a possibilidade de se exercitar em casa. “Existem diversas maneiras de praticar atividades físicas dentro de casa, por aplicativos e vídeos nas redes sociais. Treinar em casa não requer equipamento específico, pode ser realizado com o peso do próprio corpo e mesmo assim obter bons resultados”, afirma.

 

Comentários