Sorocaba e Região

CHS prevê inauguração de radioterapia com acelerador linear em agosto

Obras estão em andamento, e o equipamento usado no tratamento de pacientes oncológicos já foi solicitado
CHS prevê agosto para radioterapia com acelerador linear
Local onde deverá ser instalado o equipamento. Crédito da foto: Ministério da Saúde / Divulgação

Sorocaba deve passar a contar, até agosto deste ano, com um segundo acelerador linear, que está em fase de implantação no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). De acordo com Paulo Quintaes, superintendente do Serviço Social da Construção Civil (Seconci-SP) — organização social que administra o CHS — as obras estão em andamento e o equipamento usado no tratamento de pacientes oncológicos já foi solicitado ao Ministério da Saúde, responsável pelo Plano de Expansão da Radioterapia do Sistema Único de Saúde (SUS).

Conforme o cronograma disponibilizado pelo governo federal, em outubro do ano passado a previsão de início da atividades da radioterapia no CHS era para abril e a obra civil estava com 41% dos trabalhos concluídos. Já conforme o cronograma atual, as obras avançaram para 76%, mas a licença de operação está prevista para 14 de agosto deste ano.

Leia mais  Santa Casa retoma atendimentos para radioterapia

 

Quintaes explica que a obra da casamata especificamente já está concluída, mas os acabamentos ainda estão sendo feitos. “Acredito que até o final de abril tudo estará pronto para receber o acelerador linear”, disse. De acordo com o Ministério da Saúde, o equipamento foi solicitado no dia 20 de janeiro e a previsão é de que chegue a Sorocaba no dia 19 de maio. “Tudo está andando conforme o previsto, mas durante as obras tivemos uma pedra no caminho e não é no sentido literal. Tivemos que fazer adaptações no projeto por conta dessa pedra que estava na área da futura radioterapia”, revelou.

A adesão do CHS ao Plano de Expansão da Radioterapia no SUS aconteceu em 2012, mas somente em novembro de 2017 foi elaborado o projeto básico de implantação do tratamento e dois meses depois o projeto executivo. “Entendemos que é uma necessidade da região e por isso estamos empenhados em colocar o sistema em operação”, frisou Quintaes.

Trâmite burocrático

Sobre todos os trâmites burocráticos, como os enfrentados pela Santa Casa de Misericórdia de Sorocaba, que inaugurou na terça-feira o seu Centro de Radioterapia, depois de recorrentes atrasos e adiamentos, Quintaes explicou que a obra no CHS já começou com o aval da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen). “Trata-se de uma obra nova, diferente do que ocorreu com a Santa Casa, que estava há anos com o projeto da casamata. Creio que a obtenção das licenças e autorizações necessárias virão de forma muito mais simples”, disse o superintendente.

Toda a implantação do tratamento de radioterapia na Santa Casa está orçado pelo Ministério da Saúde em R$ 8,6 milhões, sendo que deste total, R$ 6,1 milhões são destinados à execução da obra civil e R$ 2,3 milhões ao equipamento, que é importado dos Estados Unidos e com tecnologia de ponta. O restante do investimento foi destinado à elaboração do projeto e também para a fiscalização.

Leia mais  Burocracia atrasa o funcionamento da nova radioterapia na Santa Casa de Sorocaba

 

Depois de finalizada a instalação do novo acelerador linear, Sorocaba, que integra o Departamento Regional de Saúde (DRS-16) — composta por 48 municípios — dobrará sua capacidade de atendimento aos pacientes oncológicos, passando dos atuais 50 pacientes atendidos mensalmente pela Santa Casa, para 100 pessoas que passam por tratamento de câncer. “Para operar o equipamento nós montaremos uma equipe médica”, finalizou.

Brasil

Entre os 100 novos centros de radioterapia previstos pelo Ministério da Saúde, 22 estão concluídos, entre eles o da Santa Casa. Outros 42 ainda nem chegaram até a fase de licitação para obras, que atualmente é realizado em dez municípios brasileiros. Em 16 localidades, incluindo o CHS, as obras estão em andamento. Em quatro cidades que integram o programa — Rio Branco (AC), Bragança Paulista (SP), Santa Cruz do Sul (RS) e Porto Alegre (RS) — as obras já estão finalizadas e o equipamento instalado, porém ainda falta a conclusão de todas as licenças de operação. (Larissa Pessoa)

Comentários