fbpx
Sorocaba e Região

CHS aguarda liberação de verbas para o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros

Em maio, a 3ª Vara do Trabalho de Sorocaba condenou o Estado a obter, no prazo de seis meses, o AVCB no CHS
CHS aguarda liberação de verbas para o AVCB
Justiça deu para até novembro para adequação do prédio. Crédito da foto: Erick Pinheiro

O superintendente do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), Paulo Quintaes, informou nesta segunda-feira (15) que o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) está em andamento e que o processo é de responsabilidade do Estado. “A informação que temos da própria Secretaria de Estado da Saúde é que já está em fase de liberação o valor de R$ 2,7 milhões, que é o custo do projeto do AVCB, e que o Estado está em processo de contratação da empresa que irá realizar o serviço”, afirma.

Em maio último, a 3ª Vara do Trabalho de Sorocaba condenou o Estado à obrigação de obter, no prazo de seis meses, o AVCB no CHS, sob pena de multa diária de R$ 10 mil pelo descumprimento. A sentença proferida pela juíza Ana Maria Eduardo da Silva fixa uma indenização por danos morais coletivos no importe de R$ 200 mil, a ser revertida para entidades beneficentes. A ação é do Ministério Público do Trabalho em Sorocaba. Provocado pelo Ministério Público, o 15º Grupamento de Bombeiros de Sorocaba informou que o hospital não possui o AVCB. A Justiça deu prazo de seis meses para o Estado providenciar o AVCB.

Leia mais  Estado promete novo hospital regional com atendimento pleno em dezembro

 

Quintaes disse que o Seconci, quando assumiu a gestão do CHS, iniciou o processo para adequação do prédio para a obtenção do AVCB, mas que o levantamento feito apontou que é necessário uma série de obras e reformas em todo o conjunto hospitalar, incluindo até a construção de uma escada externa, de rota de fuga, no Hospital Leonor Mendes de Barros, o que demanda investimentos.

“Montamos o comitê de brigada de incêndio e fizemos o treinamento dos brigadistas, adequamos todos os extintores, hidrantes e mangueiras nas caixas específicas, mas tudo isso sem a necessidade de verba extra. Porém, para o AVCB é necessário investimento para as obras estruturais, adequação hidráulica e elétrica, e tudo isso tem um custo estimado em R$ 2,7 milhões”, aponta.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde informou que serão investidos R$ 6,9 milhões na infraestrutura do Conjunto Hospitalar de Sorocaba, incluindo recursos destinados para a obtenção do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). De acordo com a secretaria, a unidade possui brigada de incêndio e equipamentos de segurança obrigatórios, como hidrantes, extintores e saídas de emergência.

Leia mais  CHS não tem mais vagas de UTI neonatal

 

Seconci afirma que investe em melhorias

CHS aguarda liberação de verbas para o AVCB
Em alguns espaços, ainda são vistos sinais de desgaste do prédio. Crédito da foto: Erick Pinheiro

Durante a visita, o superintendente do CHS, Paulo Quintaes, disse aos deputados estaduais que no CHS não há mais falta de profissionais, de medicamentos e de materiais que são necessários na rotina diária do complexo hospitalar. “Temos médicos em todas as áreas de especialidades e portanto não existe falta de médicos, como ocorria no período da administração direta do CHS pelo governo estadual”, diz Quintaes, destacando ainda que, desde que o Seconci assumiu a gestão do CHS, os remédios e materiais são comprados pela OS (Organização Social) e não mais pelo Estado, o que, também, segundo ele, solucionou o problema. “Cerca de 30% da verba mensal de custeio são usados para a compra de material de enfermagem e de medicamentos, então, não existe mais a falta de remédios dentro do hospital”, destaca.

Já em relação aos remédios de alto custo, o superintendente afirma que o problema da falta ainda não foi solucionada e ocorre em algumas situações. “Assumimos agora a gestão da farmácia de alto custo, mas a compra dos remédios de alto custo continuará sendo feita pelos órgãos estaduais e federais responsáveis”, diz.

Leia mais  CHS: Cremesp mantém sindicância contra médico que registrou 72h de trabalho

 

Quintaes aponta que quando ocorre a falta de algum medicamento de alto custo, a informação que recebe do Estado ou do governo federal é de que houve problema em licitações, falta de algum insumo na indústria farmacêutica, atraso no repasse de verbas para aquisição dos produtos, ou ainda outros entraves, que não são de responsabilidade do Seconci”, diz.

O superintendente aponta ainda que desde o início da gestão do Seconci no CHS estão sendo feitas melhorias, como colocação de cortinas e pintura dos quartos, reforma de toda a área de pronto-socorro, contrato com uma nova empresa de fornecimento de alimentação para os pacientes, que passará a atender a partir de 1º de agosto, entre outras. “Também em breve será feita a reforma na cozinha e refeitório. Foi feita a readequação do piso, de paredes, troca de materiais e equipamentos, tudo isso no Hospital Regional”, diz. (Ana Cláudia Martins)

Comentários