Sorocaba e Região

CadÚnico passa a ser feito em todas unidades do Cras em Sorocaba

Cadastro dá acesso a programas do governo e deixa de ocorrer na Secretaria de Igualdade e Assistência Social
CadÚnico passa a ser feito em todas unidades do Cras
Mudança acontecerá a partir do dia 12 de novembro. Objetivo é descentralizar atendimentos. Crédito da foto: Divulgação / Secom Sorocaba

O Cadastro Único (CadÚnico), ferramenta que serve para dar acesso a população de baixa renda à programas sociais do Governo Federal, deixará, a partir do dia 12 de novembro, de receber inscrições e fazer atendimentos na sede da Secretaria de Igualdade e Assistência Social (Sias), localizada na região central da cidade, passando a atender em todas as unidades do Centro de Referência e Assistência Social (Cras). A medida tem como objetivo descentralizar o atendimento, possibilitando que o atendimento seja realizado em diversas unidades do Cras espalhados pela cidade, facilitando assim o acesso daqueles que precisam realizar o cadastro assim ter acesso aos benefícios.

Em Sorocaba, o Cadastro Único tem hoje 40.063 mil famílias registradas, o que representa um número de 116.657 mil pessoas, ou seja, 17,94% da população sorocabana.

Atualmente, na Sias, são realizados em média 700 atendimentos por mês, sendo que 80% deles são de atualizações cadastrais do CadÚnico, e os outros 20% são de novos cadastros.

Segundo o balanço trimestral da Divisão de Vigilância Socioassistencial da Sias, foi realizado no município neste período um total de 6.203 mil atendimentos no Cadastro Único, destes, 46% dos atendimentos foram realizados na Sias e outros 54% nas unidades de Cras.

De acordo com Clodoaldo Barbosa de Jesus, que atua na Seção de Gerenciamento de CadÚnico e Bolsa Família da Sias, a ideia da mudança é facilitar o atendimento para a população, estando em vários territórios da cidade e de assisti-las com outros benefícios. “Como o propósito do cadastro é identificar as famílias de baixa renda nos municípios brasileiros, as famílias em situações de vulnerabilidade, com o ideal que estas família não sejam apenas assistidas por benefícios como o Bolsa Família, mas que também sejam realizados trabalhos de acompanhamento familiar, explicou Clodoaldo. (Secom Sorocaba)

Comentários