fbpx
Sorocaba e Região

Banco de Leite atende apenas 40% dos bebês internados em hospitais

Semana Mundial do Aleitamento Materno começa nesta quinta-feira, 1º de agosto
Banco de Leite atende apenas 40% dos bebês internados em hospitais
Valdirene, responsável pelo banco, diz que estoque reduz no inverno. Crédito da foto: Emidio Marques

Começa nesta quinta-feira (1º) a Semana Mundial de Aleitamento Materno, e o Banco de Leite de Sorocaba tem trabalho fundamental. Atualmente, cerca de 50 doadoras estão cadastradas, mas isso só atende a aproximadamente 40% da demanda existente no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) e em outros hospitais da cidade. “O ideal seria que pelo menos 150 mães contribuíssem, pois o leite vai para a UTI Neonatal, UTI Pediátrica, pediatria e pronto-socorro pediátrico do CHS, além de hospitais particulares que sempre pedem ajuda também”, conta Valdirene Fátima César, responsável técnica pelo Banco de Leite.

Mensalmente, conta Valdirene, cerca de 60 crianças dependem das doações de leite materno, mas o estoque não é suficiente para atender a todos. “Coletamos cerca de 65 litros por mês e no período de temperaturas mais baixas as doações também caem. Precisamos definir as prioridades na hora de distribuir o leite, infelizmente”, relata. O Banco de Leite conta com uma equipe formada por quatro enfermeiras e oito auxiliares de enfermagem, que realizam a coleta em Sorocaba e Votorantim, além da pasteurização e a distribuição.

O leite doado, segundo Valdirene, passa por testes de qualidade realizados pelo Instituto Adolfo Lutz e são redistribuídos em doses adequadas para cada bebê paciente. “A mãe precisa entender que a doação é o que sobra do bebê dela e mesmo que ela consiga retirar pouco para doar, já vai ajudar muito uma criança que está internada”.

Leia mais  Unimed faz doação ao Banco de Leite

 

Qualquer mãe que esteja amamentando e deseje doar, por menor que seja a quantidade, pode entrar em contato pelo telefone (15) 3332-9405. “A nossa equipe agenda uma visita com a mãe, levamos gorro, máscara e também os potes esterilizados e a orientamos sobre como fazer a coleta do leite. Depois, a nossa equipe vai até a casa dela buscar ou ela pode trazer diretamente ao Banco de Leite”, explica Valdirene.

No Banco de Leite, as mães também podem buscar orientação sobre o aleitamento materno. O Banco de Leite também precisa de doação de potes de vidro com tampas plásticas; quem puder ajudar, basta deixar os recipientes na recepção do Hospital Regional de Sorocaba.

Novamente doadora

A auxiliar de enfermagem Lais Fernanda Magoga, 28, conta que em 2015, após dar à luz Alice Sayumi Magoga Inoue, hoje com três anos, percebeu que tinha muito leite e decidiu ser uma doadora. “Liguei no Banco de Leite e logo já recebi a visita delas. Me entregaram o kit para a coleta e toda semana vinham até minha casa retirar a doação. Não seria capaz de jogar fora algo tão valioso como o leite, que sei que é essencial para os bebês.” Lais conta que amamentou a filha até os dois anos, mas conforme o leite foi diminuindo ela precisou cessar com as doações.

Leia mais  Curiosas amas de leite

 

Grávida novamente, Lais já está contando os dias para a chegada de um menino. A mãe espera conseguir novamente ter leite de sobra para retornar as doações ao Banco de Leite. “É um sentimento muito bom saber que estou ajudando tantos bebês, tantas mães, tantas famílias. É um processo simples que causa um efeito maravilhoso”. Por ser da área da saúde, ela se recorda que, ao voltar ao trabalho, ainda fazia a retirada de leite para doar e via de perto o drama das famílias que tinham os filhos na UTI. “Isso me dava mais força e vontade de ajudar”, conclui.

Programação busca conscientizar sobre benefícios da amamentação

Além da Semana Mundial do Aleitamento Materno, que acorre de 1º a 7 de agosto, com o tema “Capacite os pais e permita a amamentação, agora e no futuro!”, todo o mês é alusivo à amamentação e recebe o nome de Agosto Dourado. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até os seis meses, o bebê só precisa do leite materno. A amamentação continuada, combinada com a introdução alimentar, até os dois anos ou mais também traz benefícios para a saúde na infância e por toda a vida, influenciando para que as crianças desenvolvam maior inteligência, além de contribuir para a construção de laços afetivos entre mãe e bebê.

Banco de Leite atende apenas 40% dos bebês internados em hospitais
40% dos bebês têm amamentação exclusiva. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (31/7/2012)

O tema da campanha foi definido pela Aliança Mundial para Ação em Amamentação e tem como objetivo enfatizar a importância do envolvimento de todos os familiares próximos, e não apenas da mãe, para que seja possível o aleitamento materno exclusivo em seu primeiro semestre de vida. Segundo a OMS, somente 40% dos bebês têm a amamentação exclusiva.

Leia mais  Trump quer evitar que bebês nascidos nos EUA tenham cidadania

 

Segundo a presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Elsa Giugliani, o slogan desta edição busca promover o empoderamento dos pais, sem distinção de gênero, uma vez que a amamentação melhora significativamente quando há participação de todos. “Adotar uma abordagem inclusiva, que contemple os pais, parceiros, famílias, locais de trabalho e comunidade, é fundamental para criar um ambiente propício e permitir às mães amamentarem de forma otimizada”, finaliza.

Programação

Para destacar e informar sobre a importância da amamentação, Sorocaba sediará vários eventos relacionado ao tema ao longo da Semana Mundial do Aleitamento Materno. No Sesc Sorocaba, nesta quinta-feira (1º), das 19h às 21h, haverá a palestra Marketing alimentar dirigido às crianças: efeitos e consequências. Nessa conversa, Anne Rammi, do blog Mamatraca, falará sobre a publicidade da indústria de alimentos ultraprocessados, seu impacto no desmame precoce e na fidelização do paladar das crianças. Também abordará estratégias de como os responsáveis podem se apoiar para a proteção das crianças.

Leia mais  Bebê é operado no útero da mãe em São José do Rio Preto

 

Nesta sexta-feira (2), no Centro de Referência em Educação (CRE), localizado no Jardim Saira, será realizado um evento do Comitê Municipal de Vigilância ao Aleitamento Materno, que contará com vários representantes da Saúde, incluindo o Banco de Leite de Sorocaba. O evento será das 8h ao meio-dia.

No sábado (3), a partir das 10h30, o bate-papo será sobre introdução e comportamento alimentar de bebês e crianças de 0 a 2 anos, novamente no Sesc Sorocaba. A conversa, comandada por Denise Magarian, especialista em nutrição clínica em pediatria, será pautada na versão preliminar do Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos, que aguarda publicação pelo Ministério da Saúde, com destaque especial na alimentação complementar.

O Movimento Parto de Gente realizará no domingo (4), às 9h30, mais um Mamaço em Sorocaba e convida as mães com seus bebês a participarem. O encontro será no Parque Carlos Alberto de Souza, no Campolim. Em caso de chuva, a atividade será transferida para o Sesc Sorocaba. Durante o Mamaço, haverá também um bate papo com a fonoaudióloga e conselheira em amamentação Cláudia Gondim.

Segundo a organização do evento, o protesto é uma forma de promover a amamentação, dar apoio, entrosar as mães que passam por um período novo na vida, além de conscientizar a sociedade de que quem decide a hora de mamar é a criança e não a mãe ou a sociedade. Desde 2015, há também uma lei estadual que impede que estabelecimentos impeçam mulheres de amamentar em público. (Larissa Pessoa)

Comentários