Sorocaba e Região

Atraso em obra na Praça da Matriz prejudica comerciantes em Itu

Obra teve início em outubro de 2018 e deveria ser entregue em junho deste ano
Obra na praça Padre Miguel teve início em outubro de 2018. Crédito da foto: Emídio Marques/Jornal Cruzeiro do Sul

Rodeada de tapumes metálicos há pouco mais de oito meses, a obra de revitalização da praça Padre Miguel, conhecida como Praça da Matriz, localizada no centro histórico de Itu, não foi entregue no prazo estimado, em junho deste ano, e, desde sua implantação, tem prejudicado os comerciantes do entorno devido a diminuição no movimento turístico do local.

Leia mais  18ª edição da Festa Italiana de Itu

 

A placa instalada logo na entrada da praça, informando se tratar de uma obra do Governo do Estado, também comunica o início dos trabalhos, em 29 de outubro de 2018, além do prazo de oito meses para conclusão e o investimento de R$ 953.690,60, valor repassado pela Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo. A revitalização da praça e da calçada inclui paisagismo, instalações elétricas, pintura do coreto e instalações de pisos de pedras portuguesas.

Mas, apesar do prazo já ter findado, a revitalização da Padre Miguel e das calçadas da área ainda não foi entregue à população e aos turistas do berço da República. A família de Mayko e Mariana Marcucci, por exemplo, saíram de Santa Gertrudes, cerca de 112 quilômetros de Itu, para conhecer a cidade, mas não podê contemplar o espaço, que abriga um orelhão gigante, considerado um dos cartões postais do município.

Reforma inclui implantação de um novo piso, em pedras portuguesas. Crédito da foto: Emídio Marques/Jornal Cruzeiro do Sul

“Muita gente estava até cancelando de vir para cá por causa dessa obra. Em grupos na internet informam sobre todas essas obras na cidade e aí, por isso, o pessoal deixa de vir”, disse o funcionário público Mayko, acompanhado da esposa Mariana, que mesmo com as intervenções decidiram visitar o comércio da praça.

Os comerciantes ambulantes, porém, alegam que são os mais afetados com a revitalização, responsável por decair significativamente nas vendas pelo entorno. Palmira Gonçalves, de 69 anos, proprietária de um carrinho de churros e pipoca, declara que nos ’45 anos de praça’, o movimento nunca esteve tão ruim. Mas, a idosa é otimista e acredita que a clientela deve retornar assim que os serviços acabarem. “Está bem difícil, mas vamos aguardar ver o que Deus prepara”, comentou.

Palmira Gonçalves trabalha na praça há 45 anos. Crédito da foto: Emídio Marques/Jornal Cruzeiro do Sul

A profissão passada do avô para o pai e de pai para filho é o que mantém o taxista Rogério Banzi, de 40 anos, que sofreu uma queda nos lucros de cerca de 30%, aponta ele, que também teme o fim do tradicional ponto de táxi da matriz, seu local de trabalho, há pelo menos 17 anos. “Esse ponto existe há 80 anos, é tradição. Meu avô trabalhava aqui, meu pai trabalha aqui e eu trabalho aqui. Com a entrega da praça o movimento vai melhorar”, disse Rogério.

Hélia dos Santos Ferreira, de 40 anos, tem um carrinho de cachorro quente e lamenta o fraco movimento, aguardando a reabertura da praça reformada. “É difícil pois pagamos o alvará para a prefeitura”, declarou Hélia.

A Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo informou, por meio de nota, que a obra é resultado de um convênio com a Prefeitura de Itu, assinado em abril de 2018, sem contrapartida do município. O convênio possui vigência até fevereiro de 2020, ou seja, está dentro do prazo estimado pelo Estado.

Ainda de acordo com a Secretaria, a previsão é que a obra seja concluída em até 90 dias, já que a obra está em andamento com mais de 70% de execução. A Prefeitura de Itu, responsável pela realização da obra, diz que a previsão de entrega é para este mês de julho. (Aline Albuquerque)

Comentários

CLASSICRUZEIRO