fbpx
Sorocaba e Região

Alunos recebem lição de democracia e usam biometria para votar

Cartório eleitoral faz simulação de eleição em escolas para estimular jovens a participarem do pleito
Alunos recebem lição de democracia e voto
Estudantes fizeram a biometria e votaram em candidatos fictícios. Crédito da foto: Emidio Marques (27/8/2019)

Servidores de cartórios eleitorais estão levando orientação para jovens de escolas públicas e privadas em diversas cidades paulistas. Em Sorocaba, a iniciativa começou na manhã desta terça-feira (27), em um colégio particular, onde uma equipe da 343ª Zona Eleitoral simulou uma eleição municipal.

Cerca de 20 alunos do quinto ano do ensino fundamental simularam a votação em uma urna eletrônica e biometria. Eles escolheram entre candidatos fictícios e votaram para prefeito e vereador. Segundo o chefe da 343ª, João Lima, a iniciativa da campanha é estimular nos jovens, principalmente de 16 e 17 anos, sobre a importância do alistamento eleitoral, mesmo não sendo obrigatório nessa faixa etária.

Leia mais  Barroso quer ouvir TSE antes de decidir sobre títulos sem biometria

 

De acordo com os dados da 343ª Zona Eleitoral, como o alistamento eleitoral de jovens de 16 e 17 anos é facultativo, eles representam muito pouco do total de eleitores aptos a votar atualmente em Sorocaba. Por conta disso, o objetivo da Justiça Eleitoral, em todo o Estado, é aumentar a quantidade de jovens, nessa faixa etária, que queiram solicitar o título de eleitor.

Alunos recebem lição de democracia e voto
João Lima, chefe da 343ª ZE. Crédito da foto: Emidio Marques (27/8/2019)

Segundo João Lima, os jovens de 16 e 17 anos que estão aptos a votar na cidade somam somente 2.246, isto é, menos de 1% dos 468.980 mil eleitores da cidade. Segundo os números, são 191 jovens do sexo masculino e 180 jovens do sexo feminino com 16 anos, totalizando 371 eleitores. Já com 17 anos são 976 do sexo masculino e mais 899 do sexo feminino, o que soma 1.875 eleitores.

“Uma curiosidade é que, diferente dos eleitores de todo o país, em Sorocaba, na faixa etária dos jovens, os homens são maioria. Eles somam 1.167 contra 1.079 mulheres”, destaca João Lima.

O chefe da 343ª disse ainda que até o fim do ano os funcionários do cartório eleitoral pretendem visitar os alunos do ensino médio, de preferência, de aproximadamente 40 escolas da cidade, entre públicas e privadas.

Leia mais  Cartório eleitoral apura falhas da biometria no primeiro turno em Sorocaba

 

A ideia é estimular nos jovens a iniciativa de tirar o título de eleitor para que eles já participem do processo eleitoral no ano que vem, quando serão realizadas eleições municipais em todo o Brasil.

“Nas escolas faremos palestras onde falamos sobre o que é democracia e como é realizado o processo eleitoral. Inclusive levamos a urna eletrônica, com uma cabine de votação e biometria. Além disso, é feito uma simulação de eleição, como no dia de votação. E os alunos ainda ganham uma cartilha, chamada ‘Jovem Eleitor’, que foi produzida especificamente para eles pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP)”, diz.

Alunos aprendem

Alunos recebem lição de democracia e voto
Luisa: sempre quis votar. Crédito da foto: Emidio Marques (27/8/2019)

“A gente tem que votar para fazer parte da democracia do país”, afirma a aluna Luisa Lopes, 10 anos, que está no quinto ano do ensino fundamental do Colégio Salesiano, em Sorocaba. Apesar de não ter idade para tirar o título de eleitor, a menina aprendeu com os colegas de salas sobre a importância de escolher os candidatos em um processo eleitoral. “Eu sempre quis votar, mas terei que esperar completar 16 anos para tirar o meu título de eleitor”, diz.

Leia mais  Eleições: voto em trânsito pode ser pedido até dia 23

 

Outra informação que Luisa aprendeu na aula sobre as eleições e que repetia para os colegas é o fato do voto ser secreto. “A gente não precisa contar para ninguém em quem vai votar”, disse.

Alunos recebem lição de democracia e voto
Pietro: quer tirar o título. Crédito da foto: Emidio Marques (27/8/2019)

Pietro Calejo, 10 anos, aluno da mesma turma, também gostou da aula diferente sobre democracia, título de eleitor e urna eletrônica. “Eu aprendi que o voto é obrigatório e quando eu completar 16 anos vou tirar meu título de eleitor. A gente não pode vender o voto e é importante escolher uma pessoa boa para governar o Brasil”, diz. (Ana Cláudia Martins)

Comentários