Editorial

Um dia para não esquecer

Os atentados de 11 de setembro provocaram a morte de aproximadamente 3 mil pessoas e deixaram mais de 6 mil feridos

Os atentados às torres gêmeas de Nova York e ao Pentágono há exatos 18 anos são daqueles acontecimentos que marcam a humanidade. O impacto foi tamanho que todos os que eram adultos ou mesmo adolescentes naquela manhã de 11 de setembro de 2001 sabem o que estavam fazendo no momento que receberam a notícia ou ligaram um aparelho de TV para assistir às consequências imediatas dos atentados. Fenômeno semelhante só ocorreu cerca de quatro décadas antes tendo também como palco uma cidade norte-americana: o assassinato do presidente norte-americano John Kennedy, em Dallas.

Os atentados de 11 de setembro provocaram a morte de aproximadamente 3 mil pessoas, a maioria nas torres do WTC e deixaram mais de 6 mil feridos. Mas pessoas morrem ou estão doentes até hoje em decorrência dos atentados, mais especificamente devido à nuvem de poeira e fuligem, uma vez que o incêndio e a queda dos maiores edifícios de Nova York liberaram quantidades inéditas de produtos químicos e substâncias cancerígenas.

Não é exagero dizer que os atentados que completaram 18 anos ontem mudaram a vida das pessoas. O ataque desencadeou uma série de acontecimentos que atingiram praticamente todos os países, a começar pelas normas de segurança em aeroportos, na emissão de vistos e passaportes. O ataque quase leva os EUA a uma crise econômica. A Bolsa de Valores de NY permaneceu fechada por três dias, a economia parou e foi preciso o governo daquele país injetar 300 bilhões de dólares para evitar a crise.

Leia mais  A doce santa baiana

A partir do ataque os Estados Unidos e países aliados da Otan iniciaram a guerra do Afeganistão com o objetivo de encontrar Osama Bin Laden, enfraquecer a Al-Qaeda e tirar do poder o regime Talibã, levando instabilidade àquela região. Na sequência houve a invasão do Iraque, com o objetivo de derrubar Saddan Hussein, que supostamente produziria armas de destruição em massa.

A ordem no Iraque jamais foi restaurada e o ambiente criado facilitou o surgimento do grupo ultraextremista Estado Islâmico, que além de estender seus tentáculos por todo o mundo e recrutar jovens muçulmanos nascidos em países ocidentais, tem se responsabilizado pelos mais sórdidos atentados terroristas dos últimos anos. Também foi a partir dos ataques que foram construídas prisões clandestinas ao redor do mundo e fora do território norte-americano para prender e interrogar suspeitos de pertencerem a grupos terroristas.

A guerra ao terror teve como episódio mais significativo a localização e morte de Osama Bin Laden em maio de 2011. O líder terrorista vivia incógnito em uma pequena fortaleza na cidade de Abbottabad, no Paquistão, onde foi morto por um comando militar norte-americano. Seu corpo foi levado e, depois de identificado, teria sido jogado ao mar.

Leia mais  Guerra contra o sarampo

O fato dos terroristas de 11 de setembro terem utilizado aviões de carreira com tanques abastecidos como armas levou o clima bélico aos aeroportos de praticamente todo o mundo, mas principalmente nos Estados Unidos. Foi criado a Transportation Security Authority (TSA), uma agência com mais de 50 mil funcionários dedicados apenas a garantir a segurança dos aeroportos norte-americanos. Deu certo, pois desde 2001 os Estados Unidos não sofreram nenhum grande atentado, mas o aparato inferniza a vida dos viajantes que são obrigados a passar por todas as verificações de segurança exigidas pela TSA.

Apesar de todos os conflitos e guerras iniciados após os atentados, o mais curioso é que os envolvidos diretos ainda nem foram julgados. O julgamento dos cinco homens acusados de planejar os ataques de 11 de setembro de 2001, incluindo o suposto idealizador do ataque Khalid Sheikh Mohammed, só deverá ocorrer em janeiro de 2021 na base militar de Guantánamo. Nesse mês começará a seleção do júri militar que julgará os cinco homens que podem ser condenados à pena de morte.

Leia mais  STF no centro das atenções

Os gastos que os Estados Unidos tiveram para combater o terror e as sucessivas guerras que se envolveram já é superior a tudo o que foi gasto na Segunda Guerra Mundial. Mais que isso, especialistas afirmam que no futuro analisaremos esse período como o início de uma nova era da humanidade, marcada sobretudo pelo confronto entre países cristãos ocidentais e radicais do Islã.

Comentários
Assuntos

CLASSICRUZEIRO