Editorial

Um campeonato de sucesso

Muitos dos atletas das primeiras edições do campeonato hoje são senhores que incentivam os filhos

O Torneio de Futsal Cruzeirinho, chega a sua 38ª edição neste ano com um número surpreendente de equipes inscritas. São 250 times que participarão do campeonato que é uma realização da Fundação Ubaldino do Amaral (FUA), mantenedora do jornal Cruzeiro do Sul, com organização da Secretaria de Esportes e Lazer (Semes) nas cinco categorias masculinas e duas femininas. Os meninos competem nas categorias Sub-8, Sub-10, Sub-12, Sub-14 e Sub-16, enquanto que as meninas participam no Sub-14 e Sub-16. Este ano, além da competição principal, os organizadores realizam um festival para as categorias Sub-8 e Sub-10. O primeiro encontro foi no último domingo e o próximo ocorrerá no dia 16.

Ao criarem esse torneio há quase 40 anos, seus criadores jamais imaginariam o sucesso da nova empreitada que mobiliza equipes de várias cidades da região. Embora em anos anteriores o número de equipes inscritas tenha superado o atual, houve um sensível crescimento em relação ao ano passado. Em 2017 foram 189 equipes inscritas, um aumento de 32%.

É importante lembrar que o Torneio de Futsal Cruzeirinho começou como uma espécie de “filho” do Torneio Aberto de Futsal Cruzeiro do Sul, o Cruzeirão, uma competição que se tornou uma das maiores do gênero, tanto pelo número de participantes como pela qualidade das equipes envolvidas.

O Cruzeirão, por sua vez, teve início em um período do século passado em que Sorocaba se projetava em diversas modalidades esportivas, tendo com epicentro o Ginásio Municipal de Esportes Dr. Gualberto Moreira, construído na Vila Hortência em 1950, para sediar os Jogos Abertos do Interior. Sorocaba teve equipes de basquete masculinas e femininas de renome e o Esporte Clube São Bento ensaiava seu acesso à Divisão Especial do Campeonato Paulista de Futebol, o que conseguiria em 1963. Em 1960 a Prefeitura de Sorocaba resolveu homenagear os veículos de comunicação da cidade dando seu nome a competições esportivas.

O nome do jornal Cruzeiro do Sul foi dado ao campeonato do que se chamava futebol de salão, uma modalidade que ganhava adeptos rapidamente. O sucesso foi tanto que o Cruzeirão passou a reunir equipes de vários Estados brasileiros. Com o objetivo de divulgar ainda mais essa modalidade esportiva, a direção da FUA e a Prefeitura criaram, em 1980, o campeonato dirigido especialmente para crianças e adolescentes, o Cruzeirinho, cuja 38ª edição foi aberta no último sábado, 1º de setembro, com uma solenidade realizada no teatro do Sesi. Os jogos começaram no dia seguinte, com partidas da categoria Sub-8 no ginásio do Sesc.

Enquanto que o Cruzeirão se tornou ao longo dos anos um campeonato com características nacionais, com a participação de várias equipes de outros Estados, o Cruzeirinho se tornou rapidamente uma referência regional, uma limitação imposta principalmente pela idade dos atletas participantes. Muitos dos atletas das primeiras edições do campeonato hoje são senhores que incentivam os filhos a participar do campeonato, ou participam como técnicos de algumas equipes.

Um exemplo típico de paixão pelo esporte desenvolvida no Cruzeirinho é o de Simei Lamarca, atual secretário municipal de Esportes. Lamarca, que jogava pela equipe da Pizzaria do Vergílio, participou da partida final do Cruzeirinho de 1985, que foi realizada em quadra especialmente montada no Estádio Walter Ribeiro. Nessa final, os jovens atletas dividiram a atenção do público com um show do grupo humorístico Trapalhões. Começava para o atual organizador do campeonato uma trajetória que chegaria ao futsal profissional e o faria somar nada menos que 20 títulos do Cruzeirão.

O Torneio de Futsal Cruzeirinho, que tantas paixões desperta, é, segundo um dos técnicos presentes na cerimônia de abertura, uma oportunidade única de socialização entre as crianças e jovens. Mais que isso, é uma chance oferecida às crianças e adolescentes de praticar um esporte em um ambiente sadio e divertido.

Comentários