Editorial

Solo fértil

A Igreja Presbiteriana de Sorocaba é a sexta dessa denominação a ser instalada no Brasil

A Igreja Presbiteriana de Sorocaba celebra neste 1º de setembro 150 anos de organização. Instalada durante o Segundo Império, em um período em que Igreja Católica e Estado se confundiam, a implantação de uma igreja que não católica foi um ato pioneiro e ousado, só possível graças ao ambiente liberal existente na cidade, com seus pensadores liberais, comerciantes e políticos progressistas que nutriam simpatia pelos religiosos de outras denominações.

Sorocaba, que ainda tinha sua economia baseada nas feiras de muares e dava seus primeiros passos em direção à industrialização, acolheu essa denominação religiosa que prosperou e se expandiu para todo o País. A Igreja Presbiteriana de Sorocaba é a sexta dessa denominação a ser instalada no Brasil e quarta no Estado de São Paulo.

O pioneirismo da Igreja Presbiteriana de Sorocaba se deve à presença na cidade por um período, do próprio fundador da IBP, o reverendo norte-americano Ashbel Green Simonton. Nascido no Estado da Pensilvânia, estudou no seminário religioso de Princeton e escolheu o Brasil para sua missão evangélica.

O reverendo chegou ao Rio de Janeiro em 1859 e em abril de 1860 celebrou o primeiro culto em português. A primeira igreja foi formalmente organizada dois anos depois. Uma casualidade colocou o pastor na direção de Sorocaba. Um carregamento de Bíblias enviado dos Estados Unidos foi desembarcado no porto de Santos e encaminhado para Sorocaba.

Leia mais  Arborização ameaçada

Na cidade ele percebeu um solo fértil e propício para o crescimento de sua igreja e criou o primeiro deposito de Bíblias do País. Instalado no Largo de São Bento, esse depósito servia para a distribuição do livro sagrado para os demais Estados brasileiros, uma maneira que ele encontrou de pregar o Evangelho no Brasil.

As pregações do reverendo Simonton e sua presença na cidade, entretanto, não foi o primeiro contato da população local com representantes da Reforma Protestante liderada por Martinho Lutero que, em 2017, completou 500 anos. Bem antes da presença do pioneiro da Igreja Presbiteriana foi construído o primeiro Cemitério Protestante no Brasil junto à Real Fábrica de Ferro de São João do Ipanema, hoje município de Iperó.

O cemitério foi erguido por determinação do Príncipe Regente D. João (mais tarde D. João VI), em 1811, para servir de local para o sepultamento de trabalhadores da fábrica, em sua maioria ingleses e suecos, que não por não serem católicos não podiam ser sepultados nos cemitérios da época, em geral construídos junto às igrejas.

Simonton fundou ainda o jornal brasileiro Protestante em 1864 e supervisionou a criação do primeiro presbitério no Rio de Janeiro e um seminário. Além da pioneira igreja fluminense foram fundadas nesse período as igrejas de São Paulo, Lorena, Brotas, Borda da Mata e a de Sorocaba. Essa denominação religiosa se expandiu rapidamente no Brasil e teve influência em várias áreas, especialmente na educação.

Leia mais  Reações positivas

Em 1870, o reverendo Chamberlain, igualmente norte-americano, fundou Escola Americana de São Paulo, precursora do Mackenzie College, atual Universidade Presbiteriana Mackenzie. Outro missionário fundou dois anos depois o Colégio Internacional em Campinas. Em 1872, Sorocaba recebeu uma extensão da Escola Americana de São Paulo que, cinco anos depois passou a se chamar Escola Protestante de Sorocaba.

Segundo pesquisadores das atividades da IPB, foi com o patrimônio do Collegio Sorocabano, incorporado pela prefeitura, que foi fundado o Grupo Escolar Antônio Padilha, um dos estabelecimentos de ensino mais antigos da cidade. A Igreja Presbiteriana de Sorocaba também teve papel de destaque na ajuda às vítimas da epidemia de febre amarela na cidade.

Na década de 1930 participou do processo de implantação do Hospital Evangélico. Estimativa de 2016 mostrava que a IBP tinha 2.805 igrejas, 2.263 congregações e perto de 650 mil membros.

Leia mais  A poluição que mata

O missionário pioneiro Ashbel Green Simonton morreu em 1867 aos 34 anos, vítima de febre amarela, mesma doença que havia provocado a morte de sua mulher três anos antes. Foi um dos primeiros a serem sepultados no Cemitério Protestante no bairro da Consolação, em São Paulo.

Em homenagem a essa história rica em fé e perseverança, a primeira Igreja Presbiteriana de Sorocaba, localizada à rua Santa Clara, vai celebrar dois cultos hoje, um às 9h e outro às 19h. No culto da manhã está previsto um momento cívico quando as crianças do movimento escoteiro Baltazar Fernandes entrarão no templo das bandeiras do Brasil, de São Paulo e de Sorocaba e serão entregues moções de gratidão às autoridades presentes.

Haverá ainda a deposição de uma cápsula do tempo, com documentos, moedas, jornais e cartas, um testemunho da igreja atual para os fiéis do futuro.

Comentários

CLASSICRUZEIRO