Editorial

Retomada da despoluição

O governador João Doria anunciou na última sexta-feira um plano ousado de desassoreamento do rio Pinheiros



O governador João Doria anunciou na última sexta-feira um plano ousado de desassoreamento do rio Pinheiros. Em um ano, segundo Doria, serão retirados 1,2 milhão de metros cúbicos de areia, lodo e outros sedimentos depositados no fundo do rio, misturados à enorme carga de esgoto doméstico que chega sem tratamento àquele curso d’água. O rio Pinheiros, em alguns pontos, por conta do assoreamento acumulado nos últimos anos, tem uma profundidade não superior a 1 metro. O governo estadual informa que para fazer o desassoreamento será utilizada a técnica de escavadeira embarcada em plataformas flutuantes. Esse equipamento retira a lama do fundo do rio e a deposita em barcaças que leva o material até a margem e de lá seguirá para disposição final na Cava de Carapicuíba. O objetivo é remover 2,4 milhões de metros cúbicos de sedimentos nos próximos anos.

Durante a última campanha eleitoral Doria dizia que São Paulo não pode conviver com dois rios altamente poluídos, referindo-se ao Pinheiros e ao Tietê. Parece ter optado por atacar a situação do primeiro rio, que nasce na zona sul da Capital e, teoricamente, é mais fácil de ser despoluído. No caso do Tietê, a complexidade é maior porque ele recebe esgoto sem qualquer tratamento de vários municípios antes de chegar a São Paulo. O Tietê tem seus primeiros 130 quilômetros totalmente dominados pela poluição, desde Itaquaquecetuba, quando o rio começa a tomar volume e recebe grande carga de esgotos.

As primeiras tentativas de despoluir o rio Tietê começaram em 1992, quando recebeu financiamento internacional e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e social (BNDES). O governador da época chegou a prometer que beberia água do rio ao fim dos trabalhos, previsto para 2005.

Esse prazo estourou faz tempo e até agora o Tietê continua totalmente poluído e sem vida na Região Metropolitana de São Paulo. Os especialistas na área explicam que limpar um rio é basicamente deixar de jogar poluentes nele.

Se o esgoto for manejado corretamente, por exemplo, o que está na água vai embora e o rio fica limpo. A maior parte dos detritos, que vão hoje para o Tietê, tem origem doméstica.

Quando o trabalho de despoluição começou, em 1992, a coleta de esgoto atingia 70% das residências e apenas uma parte desse total (24%) era tratada. As primeiras fases do projeto preveem a criação de coletores de esgoto e estações de tratamento. Houve um avanço, pois hoje perto de 90% do esgoto é coletado e 59% tratados. A evolução ainda é insuficiente para evitar que o rio permaneça poluído.

Se o trabalho de desassoreamento do rio Pinheiros é relativamente simples, pois depende exclusivamente de equipamentos para retirar os sedimentos e transportá-los para longe e ter local para acomodá-los, a despoluição é muito mais complexa. A Região Metropolitana de São Paulo tem 22 milhões de habitantes e em torno de 40% do esgoto não recebe qualquer tratamento.

A maior dificuldade, e a parte da obra mais cara, é a construção de redes de coleta de esgoto, que muitas vezes tem de atender bairros já estabelecidos, colocando a rede em ruas já pavimentadas e muitas vezes sob as construções já existentes. Pior situação é quando se trata de ocupações irregulares onde, evidentemente, não existe rede de escoamento de esgoto e as casas despejam os dejetos diretamente no córrego mais próximo, contribuindo de maneira direta para a poluição do rio.

Sem contar o problema de descarte inadequado de lixo nas ruas e em córregos, um problema ambiental facilmente constatado após uma chuva forte quando a cidade de Salto, na Região Metropolitana de Sorocaba, se transforma em uma espécie de ralo de São Paulo com a retenção de milhões de garrafas pet e outras embalagens plásticas.

Leia mais  Novela interminável

 

Essas dificuldades em despoluir os maiores rios da capital paulista têm de servir de exemplo para cidades de porte médio, como Sorocaba, que conseguiu nos últimos anos praticamente eliminar a poluição do seu principal rio. É preciso atenção constante para que a expansão urbana seja acompanhada de coleta de esgoto, sem descuidar, evidentemente, de seu tratamento. Também é preciso cuidado especial com ocupações irregulares e áreas invadidas, situação que foi deixada em segundo plano na Grande São Paulo e agora se transformou em um problema de difícil solução.

Comentários
Assuntos

CLASSICRUZEIRO